ECO-OBRA

São muitas as pessoas que levantam a bandeira do ecologicamente correto. Mas, acho que desse grupo uma parte realmente pequena pratica o que prega.

            Existe hoje coisa mais preciosa que o tempo? Já tem até filme usando o tempo como moeda de troca. Pois é, “ser verde” implica em criatividade e consciência, mas também em TEMPO e paciência.

            Quando você vai comprar algum produto relacionado à construção civil ou decoração, você pergunta se a empresa tem um programa de sustentabilidade?  E pede o comprovante da madeira certificada quando compra um móvel? E se a fábrica não tiver o comprovante, você desiste do produto? Pois é, as coisas não são tão simples na hora de aplicar a teoria, mas hoje vou dar algumas sugestões de como fazer isso acontecer.

            A primeira coisa é o lixo. Toda obra gera uma quantidade absurda de lixo. Então tome algumas atitudes para diminuí-lo:

– Só compre o necessário e troque o que sobrar por outra coisa. Às vezes sair atrás de peças hidráulicas ou elétricas, por exemplo, é um vai e vem insano, aí a gente já compra a mais. Se levarmos para a obra, o material pode sumir ou estragar, e não poderemos trocar, assim se você comprar a mais, deixe no carro dentro de uma caixa plástica.

– Aproveite o entulho. Se tiver que levantar o nível de um piso (como a varanda) ou fazer base para os armários da cozinha (o que fica bárbaro), use o entulho em vez de mais areia e cimento. Assim compra-se menos material e gasta menos de caçamba de entulho.

– Aproveite também as embalagens. Se você é um profissional da área, utilize a embalagem da mudança de um cliente para forrar e proteger a próxima obra. Se não for, ofereça esses plásticos, papelões ou até tecidos para alguém que esteja iniciando a obra, às vezes no mesmo condomínio.

– Converse com algum amigo que também está fazendo obra e troque material com ele (ex.: a tinta branca que sobrou de um, pelo fio elétrico que sobrou do outro).

– O uso da água é outro assunto crítico. Evitar seu desperdício durante a obra é um desafio, mas deve ser enfrentado. Construir edifícios que aproveitem a água da chuva é fundamental.

– Dificilmente visitamos todas as empresas de um segmento, digamos, de móveis modulados. Assim informe-se antes quais são as empresas que têm programa de sustentabilidade e escolha visitar as que te parecerem mais sérias. Esse critério também pode ser usado quando fizer projetos em duas empresas e está na dúvida sobre qual contratar.

            E, talvez, a atitude mais importante: RECICLE.  Sofás sujos podem ser lavados, agora, com técnicas que deixam tudo novo. Móveis antigos de madeira ficam ótimos laqueados em cores malucas, ou adesivados com tecido. Coisas boas podem ser doadas a instituições que retiram no local.

            Por último, o óbvio: use produtos gerados a partir de materiais reciclados como tapetes feitos de pet, caixinhas elétricas, conduítes e pisos vinílicos fabricados com plástico reciclado e mesmo pastilhas de vidro.

            Acho importante também, sempre que possível, privilegiar empresas brasileiras.

            Dá trabalho, mas gera economia e constroi uma cultura que contagia.

Mãos à obra!

 

Por Eliane Queiroz

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

Cadastre-se

 

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi

Guia do bairro