Revestimentos - Áreas úmidas - I

Ainda bem que eu posso indicar um revestimento diferente para cada cliente. O dia que eu tiver que escolher para mim, terei que contratar um arquiteto!

As opções são tantas que sem uma orientação profissional fica bem difícil saber o que usar, então aqui vão algumas orientações.Quando falamos de áreas úmidas, a principal característica que procuramos é a impermeabilidade. Nessa categoria estão as pastilhas, as cerâmicas, os porcelanatos e alguns tipos de pintura. Vamos falar delas!


Revestimentos para Áreas úmidas - Cerâmica



A cerâmica é o material mais comum. Sua permeabilidade varia conforme um índice chamado PI, que também mede sua resistência à abrasão. Quanto mais alto o PI, maior a qualidade da cerâmica. Elas podem ser esmaltadas ou não e, para saber a diferença, olhe em sua espessura: você verá que por cima da cerâmica existe algo como uma pintura. Se a cerâmica for esmaltada e um objeto pesado cair em cima ela (e ela lascar), o material inferior aparecerá. Se ela não for esmaltada, você só verá a lasca se ela for muito grande. Ou seja, cerâmicas esmaltadas são mais próprias para áreas menos sujeitas a trafego intenso e ao impacto.



Revestimentos para Áreas úmidas -  Porcelanato O porcelanato veio como um substituto da cerâmica. Sua principal vantagem é que ele é extremamente compacto, o que o torna muito resistente e quase totalmente impermeável. Também existem os porcelanatos esmaltados e até ‘vitrificados’, que seguem o mesmo raciocínio das cerâmicas esmaltadas; e que fazem parte de uma gama enorme de opções com preços muito diferentes. Falando dos mais econômicos, os problemas mais comuns são a diferença de tamanho entre as peças, o que inviabiliza a colocação com junta fina e empenamento, o que torna quase impossível nivelar perfeitamente as peças. Se você quer uma junta bem fina, de no mínimo 2mm (caso contrário perde-se a garantia do produto) melhor comprar um porcelanato ‘retificado’. Mas, lembre-se: a argamassa e o rejunte devem ser específicos para porcelanato em função da dilatação.



Revestimentos para Áreas úmidas -  Pastilha
Já a pastilha, existe uma quantidade infinita: de vidro, de vidro reciclado, de cerâmica, de mármore, aço inox, madrepérola, e ainda as miscelâneas, que juntam diversos materiais ou cores. Tudo que for vidro é impermeável e as de cerâmica deve-se consultar a especificação do fabricante, principalmente se for para piscina. As de aço inox ou materiais metálicos não podem ficar nem no piso nem dentro do box. Já as de mármore ou qualquer outro material poroso devem receber uma camada de ‘oleofugante’, uma resina que não muda as características do material, mas protege contra água e resíduos oleosos. Nesse assunto, uma observação: quando as pastilhas são cheias de furinhos, provavelmente esses furinhos serão preenchidos com rejunte. Rejuntar as pastilhas sem fechar seus furinhos exige um cuidado de ‘louco manso’, mas é possível. Se você quiser um efeito envelhecido, pode passar óleo de verdade nas pastilhas porosas.



Revestimentos para Áreas úmidas - Pintura
Quem não quiser nenhuma das opções anteriores, entre as pinturas resistentes à água, se destaca a Epoxi. A superfície deve ser masseada com massa própria e pintada com tinta epoxi, de preferência com revólver. Quando a área do box ou outras expostas diretamente à água forem azulejadas, pode-se usar tinta esmalte acetinada nas demais paredes e para o teto do banheiro existem tintas próprias que incluem um fungicida para evitar o mofo. Para essas áreas, todas as texturas à base de quartzo são impermeáveis, e as massas e tintas acrílicas têm razoável resistência à umidade; por isso devem ser usadas em fachadas, ou lugares muito lavados (churrasqueiras, enfermarias etc).



Revestimentos para Áreas úmidas - Papel de parede  - Madeira - Tecido
Por último ficam alguns revestimentos que até podem ser usados em áreas úmidas se tomados alguns cuidados: madeira, tecido e papel de parede. O papel de parede tem que ser vinílico. Já a madeira deve ser tratada com resina especial, de preferência à base de água, que penetra nas fibras e não descasca como os vernizes comuns. A madeira também deve ter manutenção contínua se estiver exposta à água e principalmente ao sol (como decks) e, para finalizar, os tecidos também precisam de tratamento específico (prefira os que podem ser usados no mercado náutico).



Agora é só usar a criatividade, colocar os materiais mais caros em detalhes que estejam bem visíveis e ‘correr para o abraço’!

 

Revestimentos para Áreas úmidas

 

Leia a matéria sobre revestimentos para áreas secas - Parte II aqui

Por Eliane Queiroz

 

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

Cadastre-se

 

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi

Guia do bairro