A viagem dos sonhos

O meu maior sonho, como o de muitas meninas da minha idade, era o de ir para a Disney. Lembro que na época que fiz 15 anos, muitas amigas trocavam a festa de debutante por uma viagem para lá.

 
Fernanda Nasser Kahn com o pai e o irmão na Disney
 
.
Eu até pedi, mas meu pai me disse que não poderia pagar. Quando eu fiz 18 anos, ele descobriu que tinha câncer de pulmão e já estava em estado avançado. Não me contaram, mas, segundo os médicos, ele teria apenas mais seis meses de vida. Percebi uma aproximação maior do meu pai com a família e então ele organizou a tão esperada viagem para a Disney.

Foram 10 dias incríveis com meus pais, meu irmão, minha tia, minhas primas e a minha avó paterna. Fomos a todos os parques, inclusive em um aquático e duas vezes ao Magic Kingdom, onde estava o Castelo da Cinderela. Um sonho! Lembro-me da minha avó no brinquedo do E.T., na Universal Studio, completamente encantada! Mas, nada a deixava mais eufórica do que um passeio pelo supermercado. Mesmo sem falar a língua, ela se virava muito bem quando o assunto era comprar.

Meu pai, que era extremamente protetor, tentava me acompanhar nos brinquedos mais radicais. Lembro-me dele gritando pela minha avó na Space Mountain... o que foi muito engraçado. Já naquele elevador que despenca de uma altura incrível, no antigo espaço da MGM, ele quis pegar o lugar do meio, que não tinha a barra na frente para segurar. Acho que nunca tinha ouvido meu pai falar tantos palavrões! 
 
Passamos o ano novo em Epicot Center, onde acontece uma queima de fogos muito bonita e um show de música ao vivo. O que mais me marcou foi a força do meu pai, que, mesmo com aquela doença avançada e muito debilitado pelo próprio tratamento, andava o dia todo pelos parques. Algumas vezes chegou a sentar na cadeira de rodas que pegamos para os mais velhos. Relembro-o me dizendo: “Não sou mais o mesmo, coitada de você por ver seu pai tão fraco.” E eu respondia: “Fraco? Com tratamento e tudo você ainda aguenta mais que eu!”. 

Essa foi a nossa última virada de ano juntos. E foi muito especial! Logo meu pai faleceu, e essa viagem, sem dúvida, foi inesquecível. O lugar que eu sonhava conhecer se tornou o lugar inesquecível por um motivo muito mais forte. Foi a nossa despedida.                                               
 

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

Cadastre-se

 

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi

Guia do bairro