Colunistas

Crescimento sustentável

Como os jovens talentos da geração Y podem se destacar no mercado e conquistar a realização profissional. “Se você não é apaixonado pelo que faz, deveria tentar fazer outra coisa”... A frase citada pelo “gênio da Apple”, Steve Jobs, faz hoje uma analogia com uma série de reportagens que vêm sendo destacadas pela mídia nesses últimos meses abordando, em geral, as novas oportunidades de carreira e as profissões ideais para a geração Y.

Acredito que o pensamento em comum ressalta o comportamento desses jovens talentos referente ao mercado de trabalho, mas pergunto: Até que ponto essa busca pela paixão e pelo “emprego” ideal é o caminho mais assertivo para o sucesso e para a realização profissional?
Vejo nessa geração uma grande ansiedade por um crescimento muito rápido; no entanto, é importante pontuar que a base para um crescimento sustentável dentro da organização está no conhecimento e na capacitação dos profissionais para gerarem os resultados esperados naquela determinada área. Anteriormente, o critério das empresas para a promoção era o tempo de casa; hoje esse conceito mudou, as empresas valorizam a qualificação e os resultados gerados pelos colaboradores, onde o crescimento é validado pelo mérito do profissional, o que significa uma boa vantagem para o plano de carreira dessa geração.
Porém, os jovens precisam se lembrar de que o perfil de profissionais “veteranos”, com os quais eles também estão concorrendo no mercado de trabalho, está mudando. Antes, as pessoas nas faixas dos 40, 50 e 60 anos não tinham conhecimento para acompanhar as novas tecnologias. Atualmente, é comum ver profissionais nessa mesma faixa etária que dominam internet, redes sociais, aplicativos inovadores e que utilizam a tecnologia em favor do negócio, buscando se aprimorar cada vez mais.
Então hoje, mais do que nunca, para os jovens que procuram crescer profissionalmente, é importante que eles definam o propósito, o plano de carreira que irão traçar naquela organização e que se especializem para conquistar um diferencial dentro da área. Não há mais espaço para o chamado “crescimento instantâneo” dentro das empresas. A realidade é que ou os profissionais se capacitam e têm competência para realizar a função e para assumir cargos de liderança ou realmente não sairão do lugar.
Tudo começa na contratação!
Muitas vezes, vejo que as empresas também estão despreparadas para receber esses colaboradores. A dica que eu dou para diretores e empresários na hora da contratação é expor claramente os objetivos e as metas esperadas para aquele profissional, assim como o seu plano de carreira, ou seja, por que ele está sendo contratado, onde ele está e aonde ele pode chegar. O maior segredo para as organizações é saber comunicar como esses jovens podem chegar lá e conquistar esse espaço. As lideranças e os coaches de líderes devem estar muito bem preparados para isso, caso contrário, a tendência é que esses profissionais se sintam cada vez mais perdidos e busquem o crescimento em outros lugares, aumentando o índice de turnover na organização.
Entretanto, vale ressaltar também que aquelas pessoas que não se estabilizam e ficam “pulando de galho em galho” certamente não serão bem-vistas no mercado. As empresas valorizam profissionais comprometidos e sempre irão analisar o nível de engajamento deles nas organizações por onde passaram e se perguntar: Por que esse profissional não costuma parar em lugar nenhum?
Por isso, eu concordo com a frase de Steve Jobs do início: “Se você não é apaixonado pelo que faz, deveria tentar fazer outra coisa”. Novas possibilidades sempre são válidas, mas é preciso tomar cuidado para não passar a vida só tentando; às vezes é preciso aprender a se apaixonar pelas oportunidades que a vida oferece. Estabelecer um planejamento claro é a base para conquistar resultados extraordinários, superar os desafios da carreira e ser feliz profissionalmente.                                

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

Veja também

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi