Férias de amor

Quando uma relação amorosa ‘esfria’ ou os parceiros entram em rota de colisão, nada é mais eficaz para um reaquecimento ou pacificação do que tirar férias juntos. Mas só o casal, sem os filhos ou agregados, se houver.


Este artigo vem a propósito da proximidade do fim de ano, período tradicionalmente reservado para férias, sejam coletivas – por parte das empresas – sejam familiares. Aliás, quem pretende viajar e ainda não fez reserva antecipada do hotel, está correndo o risco de ter que escolher outra cidade menos famosa. O que, para efeito dos objetivos deste artigo, não chega a ser um problema: até uma ilha deserta serviria – se ainda existisse.

Os parceiros afetivos sabem que o cotidiano traz rotinas, problemas e maus hábitos. Tudo isso junto, detona qualquer história de amor.

O pastel do cotidiano rotineiro tem vários recheios: problemas no trabalho, contas a pagar, cuidados com as crianças, com a casa, a saúde, o carro, conflitos familiares – e outros que não me ocorrem agora.

Antigamente, havia quem aconselhasse aos parceiros tirar férias separados para que um pudesse sentir a falta do outro e assim resgatar o amor. Esqueça isso. Em muitos casos, essa estratégia fazia a festa dos ricardões e periguetes. Ressentimentos e sentimentos de solidão e rejeição juntos, acreditem, não dão coisa que preste no campo afetivo.

A ordem do dia é deixar os filhos com sogros, tias ou amigos de confiança, assegurar-se de que cuidarão muito bem deles e partir para gozar parte das ferias a sós – ele e ela. Na outra metade, aí sim, poderão levar filhos, pais, sogros, cães e gatos. Certamente, todos vão notar as mudanças nos parceiros: mais leves, soltos, alegres... e apaixonados.

A base dessa estratégia é simples: as viagens a sós fazem o casal tornar-se necessariamente parceiro, cúmplice, aliado e colaborador para que possam superar juntos os costumeiros imprevistos, as inevitáveis dificuldades e outras surpresas que costumam acontecer nesse período. E depois, sem a necessidade de focar parte da atenção nas rotinas do cotidiano, só resta a cada um dedicar-se ao outro – e é aqui que está a chave do sucesso. Claro, dia sim dia não o casal usará o iPhone ou o iPad para ver e conversar com os filhos e pais para diminuir as saudades e assegurar-se de que tudo está correndo bem na sua ausência. Para isso existe o Skype, Facetime e outros aplicativos.

Agora, se esta sugestão não for aceita simplesmente porque nenhum dos parceiros aguenta mais ficar sozinho por muito tempo com o outro, o remédio não está nas férias. Provavelmente estará no consultório de um bom psicoterapeuta de casais.

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi

Últimas Lidas Sobre Cidadão do Morumbi