Vale a pena (des)confiar?

Toda relação de amor pressupõe confiança entre os dois parceiros. Penso que é impossível amar quem não se confia.
Mas, a julgar pelo que se ouve em confidências entre amigos, conversas em salões de beleza e mesinhas de bar, parece que muitos casais estão sofrendo de uma crise de credibilidade conjugal.


Como se sabe, há parceiro que, sem que o outro saiba, não perde a oportunidade de mexer nos seus bolsos, bolsas e carteiras, revirar seus e-mails e celulares e até tentar sentir cheiros estranhos nas suas roupas. Quando a situação é essa, cabe a pergunta: estamos falando de relação amorosa ou de investigação policial?
E o pior de tudo é que, muitas vezes naquela “investigação”, são encontradas “provas do crime”... Conclusão: os dois estão errados e parecem desconhecer a palavra “confiança” e assim ocorre o ciclo de ação x reação: o segundo errou por causa do erro do primeiro. Há quem diga: “Eu sei que não posso confiar, mas prefiro continuar com ele/ela mesmo assim.” Ok, a vida é feita de escolhas e, se essa é a sua, bola pra frente.
Os comportamentos descritos demonstram imaturidade e despreparo para a relação amorosa. São uniões que geralmente começaram motivadas por impulso, interesse ou mera atração física. O amor verdadeiro não entrou na história e, por isso, dá no que dá.
O que pode ser feito?
Ao primeiro sinal de fumaça e antes que o fogo destrua o que resta da parceria, é o momento de discutir a relação, de maneira franca, objetiva e adulta. Nessas circunstâncias, essa conversa, muito mais que discussão, é uma oportunidade que se dá à harmonia e continuidade da relação, com confiança mútua. Que fique muito claro, nesse momento, o que é que está tornando o relacionamento insatisfatório. Quase sempre há atitudes e comportamentos em excesso ou escassez. Eles precisam encontrar a medida certa.
Bancar o detetive e vasculhar as coisas do parceiro além de ser imperdoável, invasão de privacidade, não irá salvar a relação, nem resgatar o amor que um dia existiu.
Se auditorias e fiscalizações fossem a solução para deslizes, o Brasil não estaria hoje lamentando a nefasta e interminável epidemia de corrupção que aborrece a todos.
De resto, se você não confia na pessoa que escolheu para – pelo menos em princípio – viver para sempre, com quem dorme todo dia ou compartilhou a geração de filhos, então não estaremos falando de amor.       

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi

Últimas Lidas Sobre Cidadão do Morumbi