Lições do Pequeno príncipe para casais

O livro O pequeno príncipe (Le Petit Prince) foi escrito em 1943 pelo escritor, ilustrador e piloto francês Antoine de Saint-Exupéry. Considerada por muitos como obra infanto-juvenil, na verdade ela contém inúmeras metáforas e simbolismos de grande valor para a reflexão e o amadurecimento emocional e afetivo dos adultos. Sucesso até hoje, é considerado um clássico e está há várias semanas em primeiro lugar na lista dos livros mais vendidos no Brasil. Ele contém frases que se tornaram famosas através dos tempos e que devem ser apreciadas pelos casais. Uma delas diz:
– “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”
O amor verdadeiro não acontecerá entre duas pessoas se primeiro elas não se sentirem cativadas uma pela outra. E cativar, segundo o Pequeno Príncipe, é tornar aquela pessoa única no seu coração. Há muitos milhões de homens e mulheres no mundo, mas apenas um (ou uma) deles ocupará seus pensamentos e sentimentos. Se isso é conseguido, essas duas pessoas se apaixonam e é criado um compromisso emocional recíproco de proteção e continuidade desse envolvimento. A menos que se trate de algo supérfluo e casual, será preciso que cada parceiro zele pela manutenção sustentável daquele amor.
Outra mensagem valiosa: num momento em que as pessoas cultuam obsessivamente o corpo, colocando em primeiro lugar dietas, cirurgias plásticas, exercícios e implantes, o Pequeno Príncipe nos lembra da importância de olharmos prioritariamente para a essência das criaturas, para a beleza interior de cada uma delas:
– “O essencial é invisível para os olhos: só se vê bem com o coração.”
Estas são algumas lições desse sensível personagem, que, além do livro, pode ser visto também no filme em cartaz.
O leitor poderá perguntar: E assim, seguindo essas mensagens, o casal será feliz para sempre? Claro que não: na vida a dois, ao longo do tempo, costumam ocorrer muitas mudanças que poderão desfazer a relação. Isso o Pequeno Príncipe também prevê quando nos diz:
“Todos corremos o risco de sofrer um pouquinho quando nos deixamos cativar.”
Mas quem tem a chama do romantismo dentro de si jamais deixará de correr esse risco, concorda?

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi

Últimas Lidas Sobre Cidadão do Morumbi