Perfil

Buenos Aires sobre duas rodas

Somos um casal com 50 anos de idade cronológica e 20 (às vezes menos) de idade mental. Nosso projeto inicial era conhecer o Brasil sobre duas rodas e não o abandonamos, mas partimos para voos mais ousados.

Nos conhecemos na escola e depois fomos para a faculdade, onde nos reencontramos, namoramos e casamos bem cedo para os padrões atuais. Juntos, tivemos duas filhas e na correria de criá-las, educá-las e construir alguma coisa, não tínhamos tempo nem dinheiro para mais nada. Um dia, com as filhas já moças, nos demos conta de que elas não precisavam tanto de nós, pelo contrário! Não se encaixavam mais em nossos programas; o que é normal, já que estavam construindo suas próprias vidas. Percebemos quanto tempo já tinha passado e como ele passava rápido. Decidimos então, que um fim de semana por mês seria só nosso. Tínhamos comprado uma Scooter para nossa filha andar no condomínio e gostamos tanto que do modelo 125 compramos uma 400 e depois uma 650. Com essa nos aventuramos na primeira viagem mais longa. E aí vieram outras motocas e as viagens foram acontecendo. Nosso projeto inicial era conhecer o Brasil sobre duas rodas e não o abandonamos, mas partimos para voos mais ousados. E assim vamos sonhando, transformando os sonhos em projetos e os projetos em ações, em realizações; para depois sonhar novamente. Em outubro havíamos planejado uma viagem dentro do Brasil, mas o Fábio veio com a ideia de irmos para Buenos Aires. Aí fomos amadurecendo e do 'pesquisar' para o 'planejar' foi um pulo.

De Sampa, partimos rumo a Balneário Camboriú na manhã do dia 16 de outubro e chegamos lá à tarde. À noite fomos a um bar perto do hotel, demos risadas, partilhamos histórias e voltamos cansados, mas de alma leve. No outro dia, bora pra estrada, afinal tinha um céu azul lindo sobre nossos capacetes. Passamos por Torres, fomos a Pelotas visitar um amigo querido e, depois de algumas aventuras, seguimos para o Uruguai por estradinhas lindas, com belas paisagens e tão sem curvas que pareciam não acabar nunca. Só não foi mais agradável pelo vento forte que soprava. Fiquei o tempo todo grudada no Fábio para não sair voando (risos). No Uruguai passamos por Rio Del Prata, seguimos todo o contorno de Punta Del Este e vimos o pôr-do-sol na Casapueblo, um espetáculo! Há seis dias na estrada, partimos de Punta com a promessa de voltar. Já em Montevidéu, comemos uma picanha divina e partimos para Buenos Aires, que tem o trânsito um pouco pior que o de São Paulo, pois lá parece que cada um vira onde quer e à hora que quer. Nosso hotel, Lenox, ficava bem no centro da cidade. O lugar não era bonito, mas tinha acesso fácil a tudo. Nos acomodamos, almoçamos e fomos às compras. No 9° dia de viagem, acordamos ansiosos para visitar Lujan e conhecer o controverso zoológico. Além dele, passamos por Plaza de Mayo, Casa Rosada, Casa Del Governo, Recoleta, San Telm e Palermo Soho, onde paramos para tomar um sorvete bem maior que minha consciência permitia. Mas, o dia de ir embora chegou e ele sempre tem um gosto amargo. Para amenizar, resolvemos visitar Caminito, que nos encantou há 25 anos (passamos nossa lua-de-mel lá). Na volta da viagem, mais aventuras. Passamos por Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Torres, Tubarão, Laguna, Palhoça, Floripa, Joinvile e, de Curitiba, arrumamos nossas malas pela última vez e partimos rumo a São Paulo. Depois de dias superintensos, chegamos inteiros para os braços amorosos das nossas filhas que nos aguardavam. Esperamos que nossos sonhos, projetos e realizações estimulem outras pessoas a sonharem, a ousarem e a correrem atrás da realização desses sonhos.

Até a próxima!

Márcia Monteiro e o marido Fábio Rieser são moradores do Morumbi

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

Veja também

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi

Últimas Lidas Sobre Cidadão do Morumbi