História

Casa do Sertanista

Construída na época das expedições bandeirantes, a Casa do Sertanista representa o modo de vida do sertão brasileiro do período Colonial e abriga a Cultura Popular Brasileira
Desbravar os campos virgens do Brasil Colonial não foi tarefa fácil, mas a ambição pelas riquezas da terra se sobrepunha a todas as dificuldades da época. As andanças pelo sertão deixavam os homens rudes, mas nem por isso apagavam o sonho de possuir uma morada forte o bastante para mostrar poder e proteger seus familiares. Esses verdadeiros quartéis-generais foram espalhados pelas terras transformadas em extensas fazendas.
 

Até hoje, as últimas dessas construções que sobreviveram aos séculos retratam a realidade dos primórdios do povo brasileiro em que as conquistas eram através da força Exemplar típico das moradias erguidas pelos fazendeiros ricos do século 17, a Casa do Sertanista, também conhecida como a Casa do Caxingui, apresenta um inconfundível método de construção adotado pelos aventureiros que exploraram o interior do Brasil. A antiga moradia dos bandeirantes que habitaram a região onde surgiu o bairro do Morumbi é um dos poucos exemplares dos moldes arquitetônicos da época que permaneceu de pé. Hoje, a casa abriga o Museu de Folclore Rossini Tavares de Lima, que mantém um acervo relativo à cultura indígena e à cidade de São Paulo.   Casa do Sertanista é uma variação das casas térreas brasileiras com influência espanhola, mantendo características mais arcaicas. Em outras regiões, como no Rio de Janeiro e no Recôncavo Baiano, elas foram substituídas por moradias mais modernas, enquanto em São Paulo, mais pobre e isolado, sofreram poucas mudanças.   
 

ARQUITETURA

Tombada pelo patrimônio histórico, a Casa do Sertanista foi construída pelos bandeirantes e é uma das únicas edificações desse período que restaram na cidade de São Paulo. A construção possui paredes de taipa de pilão de quase 1 metro de largura, chão de terra batida e telhado coberto por “telhas de coxa” (telhas moldadas nas coxas de escravos ou oleiros). A organização dos cômodos é característica da época com uma sala central, quartos dispostos lateralmente à sua volta e uma varanda frontal limitada à esquerda por paredes, e à direita por um pequeno compartimento. Seu primeiro morador foi o padre Belchior de Pontes.

Os únicos registros de propriedade mostram que o imóvel pertenceu também a Joaquim e Fidência Beu. Após ser adquirida pela família Penteado, foi mais tarde vendida à Companhia City de Melhoramentos. Em 1958, foi doada à Prefeitura de São Paulo, que iniciou sua restauração em 1966. Após a conclusão das obras, em 1970, foi transformada na Casa do Sertanista.   
 

FOLCLORE

A Casa do Sertanista instala o Museu do Folclore Rossini Tavares de Lima. Fundado em 1947 e sediado anteriormente na OCA Parque do Ibirapuera conta com um acervo de peças coletadas e adquiridas em pesquisas de campo . O conjunto musicológico caracteriza a arte popular nacional: são instrumentos musicais, objetos de cerâmica figurativa e utilitária, utensílios domésticos, obras de artistas como Valdomiro de Deus, Tio Quicas, Ana Ruiva e Vitalino, além de uma biblioteca especializada com mais de 4.800 títulos.  

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi

Últimas Lidas Morumbi