Pets

Problemas de pele podem afetar os animais

Cada vez mais os bichinhos de estimação estão fazendo parte das famílias. São tratados como filhos e cuidados como crianças. Mas, mesmo com todos os cuidados, a dermatite atópica pode atacar o bichinho e atrapalhar a qualidade de vida dele.

 

 

Dolce conversou com a veterinária, especialista em dermatologia, Cristina Sartorato, para saber o que é, como detectar, como tratar e proteger os animais de estimação dessa doença que é geneticamente programada e que torna o animal sensível a substâncias ambientais e a alguns alimentos. A coceira é o principal sintoma.

 

 

1 - Quais animais podem ser acometidos com a dermatite atópica?

Os mamíferos em geral são suscetíveis. Cães, gatos, cavalos e até mesmo o homem podem apresentar essa doença.

 

 

2 - Ela tem cura ou apenas tratamento?

Como se trata de uma doença geneticamente programada, o que buscamos no tratamento é o controle das crises. Cães e gatos não vivem tempo suficiente para desenvolverem tolerância natural aos alérgenos ambientais. O tratamento é baseado na avaliação rigorosa do animal, e, para ser estabelecido, é necessário considerar o histórico, o local em que vive, hábitos, doenças concomitantes, alimentação, infecções de pele, presença de pulgas e carrapatos entre outras informações essenciais para eleger qual será a melhor proposta para aquele paciente. O objetivo é buscar a menor quantidade de medicamentos, na menor frequência possível, capaz de controlar com eficácia as crise. Assim, quando bem estabelecido, muitas vezes com mudanças de hábitos, conseguimos obter resultados satisfatórios.

 

3 - Como os donos podem detectar?

O sintoma principal é a coceira, capaz de prejudicar a qualidade de vida daquele animal. Associado a isso, muitas vezes feridas e lesões cutâneas também podem ser encontradas.

 

4 - Qual a parte do corpo mais sensível para o problema?

O animal pode coçar qualquer parte do corpo e essa coceira pode ser generalizada ou localizadas, como por exemplo, nos casos em que o animal lambe em demais as patinhas.

 

5 - Pode ter a ver com falta de higiene? Animais que vivem em apartamento e quase não saem para a rua podem sofrer do mal?

A doença não está relacionada a higiene do animal, pelo contrário, é fato que animais domiciliados, que vivem em apartamentos e não saem na rua são mais vulneráveis. A ressalva vale apenas para a presença de ectoparasitas (pulgas ou carrapatos) que agravam com frequência esses quadros.

 

6 - Existem outros tipos de dermatite?

Dermatite é um termo genérico utilizado para definir inúmeros problemas cutâneos. No caso da dermatite atópica, a causa é alérgica, mas temos outras dermatites não relacionadas a alergia como por exemplo as dermatites fúngicas (fungos).

 

7 - Alimentos podem causar algum tipo de problema de pele? Muitos pesquisadores acreditam que a alergia aos alimentos faz parte da dermatite atópica, dessa forma, identificar se o animal pertence ao grupo de animais que responde a alimentos faz parte do manejo dessa doença. Além disso, a pele reflete diretamente muitos desequilíbrios sistêmicos, dessa forma, certamente, a alimentação do animal refletirá diretamente na saúde cutânea.

 

8 - Dê dicas para que os donos evitem doenças de pele e o sofrimento dos bichinhos. As principais dicas são:

- Prevenir o contato com pulgas e carrapatos utilizando mensalmente antipulgas

- Evitar banhos muito quentes , com produtos agressivos à pele do animal

- Manter o animal em boa condição nutricional e de saúde

- Não generalizar ou extrapolar tratamentos, levando o animal ao veterinário sempre que necessário. O que foi eficaz para outros bichinhos ou funcionou em determinado momento de vida para aquele paciente nem sempre é a melhor escolha.

 

Metazooa - Clínica de Dermatologia Veterinária Rua Braço do Sul, 107 - esquina coma Rua Reg. Leon Kaniesfky - Tel.: 3727-2674

Cristina Sartorato - Dermatologia veterinária - Membro da diretoria da Soc. Bras. de Dermatologia Veterinária - CRMV- SP 14597

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

Veja Também