Saúde

Brasil preguiçoso?

Chega de sedentarismo! uma pesquisa revelou recentemente que o Brasil é um país preguiçoso. Um estudo feito por uma empresa alemã, que ouviu mais de 46 mil pessoas a partir dos 16 anos de idade em 130 cidades, concluiu que 62% dos brasileiros jamais praticam qualquer tipo de esporte. 


Os brasileiros que se dispõem a vestir a roupa e malhar são homens jovens e com alto poder aquisitivo, foi outro resultado da mesma pesquisa, que revelou ainda o que já sabíamos: o futebol é o esporte mais praticado por aqui. 

Um dos maiores problemas causados pelo sedentarismo é a obesidade que acarreta várias outras doenças. E muitas pessoas só se atentam à necessidade de ter uma vida saudável depois de passar por um susto. 

 

Paulo Maia Jornalista e empresário Paulo Maia

O jornalista e empresário Paulo Maia também superou seus limites. Aos 40 anos sofreu um infarte e precisou mudar seu estilo de vida. “Depois que vi a morte bem de perto, falei com Papai do Céu, com o pessoal lá de cima e pedi uma nova chance. Voltei e passei a dar valor às coisas básicas da vida”, conta Paulo Maia que parou de fumar os dois maços diários e aos 50 anos atravessou, a nado, 44 quilômetros no Canal da Mancha durante quase 14 horas – uma das histórias contadas pelo jornalista no livro “Diário de um Aquaman”. Para se preparar, o ex-sedentário nadava 10 quilômetros por 12 horas seguidas (durante a noite) na represa de Ibiúna. “Tive de aprender sobre nutrição, hidratação, reposição de energia e sais minerais. Suportei  o esforço sem chegar ao esgotamento”. E pensa que ele parou por aí? Após o feito do Canal da Mancha já atravessou o Estreito de Gibraltar, entre a Espanha e a África e quer mais. “No ano que vem quero fazer o Estreito de Bósforo, entre a Ásia e a Europa. Todo caminho por água que ligar um povo ao outro eu quero atravessar a nado. Uso o esporte como se fosse o meu remédio natural e sustentável”, diverte-se.

Segundo o psiquiatra Walker Cunha, muitas pessoas pensam que deixar o sedentarismo é correr uma maratona ou ir diariamente à academia. São esses tabus que precisam ser quebrados. “O grande segredo de adotar vida saudável é não radicalizar”, é a dica do psiquiatra. O fracasso, habitualmente, vem acompanhado de uma longa tentativa de se comprometer com algo que não irá conseguir dar conta por muito tempo. É o que garante a psicóloga Renata Yamasaki. Para ela é a famosa ‘zona do desenvolvimento proximal’, ou seja, estabelecemos metas muitas vezes fora do nosso alcance. “É necessário analisar o que se encaixa na sua rotina, quantas vezes na semana conseguirá ir à academia e se programar para cozinhar e ter em casa alimentos saudáveis”, orienta Renata. 

Conversamos com pessoas aqui do bairro que colocaram metas em suas vidas, objetivos que pareciam muito além de seus limites. Mas, com muita dedicação, mudanças de hábitos e acreditando em si mesmos chegaram lá e hoje contam suas histórias. Leia e, quem sabe, estas verdadeiras superações sirvam para você levantar e deixar para trás o sedentarismo!                                               
 

Eu sempre alertava alguns pacientes sobre cuidar do peso, parar de fumar e adotar uma dieta mais saudável, mas era como se eu falasse com o vento.”
 
Walker Cunha
Psiquiatra
 
 
 


 

Alexandre Ferreira

Alexandre Ferreira, 40 anos, é endocrinologista e nutrólogo, e mesmo sempre tendo levado uma vida saudável, percebeu que aos 35 anos de idade o metabolismo já não era mais o mesmo. “Com uma carga horária de trabalho elevada, passei a dormir mal e percebi um cansaço constante e uma sonolência. Meu corpo foi ficando menos flexível”, conta o médico que aos 37 anos decidiu incluir musculação e corrida em sua rotina diária. “Os exercícios oxigenam meu cérebro, melhoram meu corpo e meu sono e ainda me deixam mais disposto para meu dia-a-dia no consultório. A atividade física regular trouxe um novo estilo que contagiou minha vida, meu trabalho e minha rotina”, conclui e já se programa: “agora que consegui mudar meus hábitos quero correr a Maratona de Nova Iorque, em 2015.”

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

A palavra ‘querer’ tem muita força, mas precisamos, em primeiro lugar, ter disciplina, colocar a preguiça de lado, e fazer as pazes com o espelho.” 

Renata Yamasaki
Psicóloga
 
 
 

Paulo Maia Jornalista e empresário Luciana Alvez

A jornalista Luciana Alves sempre foi magra, mas após a morte da mãe em 1999, ela teve depressão, em 2004 foi diagnosticada com síndrome do pânico e precisou usar uma medicação por três anos. “De 50kg, que sempre foi meu peso, fui para 70kg, e mesmo parando o remédio eu não conseguia emagrecer”, relembra. Com dores na coluna, colesterol e triglicérides altos, Luciana viu que a vida que levava não poderia continuar, mas, foi apenas em 2008, com 31 anos que ela resolveu mudar seus hábitos alimentares e sair do sedentarismo. “Era um dia chuvoso de maio e eu acordei decidida a não olhar mais ‘aquela’ pessoa no espelho. E nem era uma segunda-feira! Levantei, fui caminhar no parque e a partir daquele dia mudei minha alimentação”, e acrescenta que dois meses depois dessa decisão já havia eliminado 5kg. Mesmo durante a gravidez do seu único filho, Leonardo, hoje com cinco anos, Luciana continuou com as caminhadas e duas semanas após o parto já estava com 55kg. Hoje, aos 37 anos ela diz que rejuvenesceu 10 anos e que vai à academia pelo menos quatro vezes por semana. “Graças ao meu novo estilo de vida e meus 49kg consigo aproveitar tudo que a vida tem para oferecer. Brinco com meu filho, corro e me sinto plena e com muita energia para tudo”, finaliza.

 
LARGAR O
SEDE
NTARISMO

DICAS


 

 1 – Limite seu horário de trabalho     
Procure fazer o exercício quando não estiver tão exausto.


 2 – Escreva suas metas    
Dê um passo de cada vez.


 3 – Encontre um hobby    
É mais fácil começar quando nos identificamos com algo que gostamos de fazer.


 4 – Procure um grupo de amigos     
Eles nos incentivam a ir em frente quando estão com os  mesmos objetivos. 


 5 – Permita-se cuidar de você    
Sua satisfação pessoal vale mais do que qualquer elogio alheio.

 
 
 
 
 

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or

REVISTA DOLCE

Edições anteriores

Veja as edições anteriores da revista Dolce Morumbi