O que leva os pais a procurar ajuda profissional

Crianças & psicologia

Criar filhos para fazê-los aprender na infância, amadurecer na adolescência e assim deixá-los preparados para a fase adulta, nos dia de hoje, exige-se muito do instinto que nos faz escolher ser mãe ou pai. É preciso um olhar cuidadoso no detalhe do cotidiano dos filhos além da determinação de agir quando for preciso.

Lá no fundo, instintivamente, é o que os filhos esperam dos pais.

Colaboração: Cynthia Wood Passianotto

Bebês até 2 anos e meio

  • Retirada das fraldas
  • Retirada da chupeta
  • Transição da mamadeira para o copo
  • Crianças que mordem, grande preocupação dos pais e nas escolinhas também

Entre 3 e 4 anos

  • A terrível fase do “não”. A criança começa a entender que tem personalidade e quer se autoafirmar, mostrando que já sabe escolher. É quando muitas vezes nascem as birras: não querem vestir a roupa escolhida pela mãe; não querem comer o que está no prato; se recusam a tomar banho em determinado horário. O fazem não porque não gostam, mas porque não fora suas escolhas.
  • Se a criança faz xixi na cama (enurese) pode não ser mais um problema de retirada de fraldas, e sim de algum fator emocional como ansiedade estresse, medo, etc.
  • Nesta fase as crianças começam a se socializar e as que não conseguem fazer amigos facilmente, por timidez ou por muita criatividade, podem desenvolver amigos imaginários.

Entre 5 e 6 anos

  • Quando não consegue articular bem os pensamentos, adquirir novo vocabulário, seguir instruções orais (mesmo que breves) ou mostra pouca atenção às narrativas;
  • Problemas de memória: demora em adquirir novos aprendizados como soletrar ou repetir os números, não se recordar de fatos ou se confunde ao contar uma história;
  • Problemas de atenção: se distrai com facilidade, é muito impulsiva ou tem dificuldade em se concentrar por períodos normais a outros alunos;
  •  Problemas motores: demora a cumprir tarefas como amarrar cadarços ou escovar os dentes; dificuldade ao manusear materiais como lápis e caneta satisfatoriamente; reluta em desenhar ou escrever;
  • Problemas sociais: grita, reclama ou agride colegas; reage mal quando é contrariada; chateia-se demais com os próprios erros ou os ignora, fingindo que não errou; não parece capaz de fazer coisas em conjunto com outras crianças;

Entre 7 e 8 anos

  • Dificuldade em aprender a escrever e ler e não consegue realizar as tarefas colocadas pela escola;

...e quando devem procurá-la?

1 Agitação – Mostra alto grau de ansiedade ou tem atitudes como quebrar objetos de propósito.

2 Agressividade – Grita, esperneia, bate e protagoniza birras, tanto em casa como no colégio.

3 Alimentação – Passa a comer mais ou menos que o usual; em alguns casos, pode até deixar de se alimentar.

4 Aprendizado – Tira muitas notas baixas nas provas e tem queda geral no rendimento escolar.

5 Comunicação – Não consegue contar uma história do começo ao fim ou explicar como foi seu dia.

6 Depressão – Chora demais e fica de mau humor; a irritação também é um traço comum na depressão infantil.

7 Desligamento – Não presta nenhuma atenção no que lhe dizem ou no que está ocorrendo à sua volta.

8 Medo – Começa a apresentar fobias exageradas e repentinas, sem motivo ou razão aparente.

9 Socialização – Não faz mais amigos ou se distancia dos que já tem e apresenta dificuldade para brincar em conjunto.

10 Sono – Faz xixi na cama (fora da idade em que é natural), range os dentes ou começa a ter pesadelos frequentes.

Artigos recomendados