Indenizar dano moral é sinal de civilidade

Dr. Fabiano Lourenço de Castro

O dano moral à consumidora que não recebeu móveis planejados

É muito comum, em razão da litigiosidade entre as pessoas que ainda se mostra excessiva na sociedade, a propositura de ações de indenização por danos morais, nas quais se conclui existir apenas um mero dissabor, que não pode ser objeto de ressarcimento. Porém, outras situações, como a que será abordada a seguir, impõe a necessidade da condenação em danos morais, até mesmo como uma forma de se inibir a prática de condutas similares. Pois bem, determinada consumidora, conforme relatado na petição inicial da ação judicial, no mês de dezembro de 2015, firmou contrato de compra e venda e instalação de móveis planejados para cozinha do imóvel novo que havia adquirido e iria se mudar, pagando a quantia de R$ 35.500,00 (trinta e cinco mil e quinhentos reais). Ficou estipulado no contrato que os móveis seriam entregues no dia 30 de março do ano seguinte, com uma tolerância máxima de atraso de 10 dias.

Ainda segundo a compradora, uma vez que os móveis não foram instalados no prazo determinado, ela entrou em contato com a loja, e um dos responsáveis lhe informou que no dia 19 de maio cumpriria o contrato. No entanto, novamente a empresa não fez a entrega do produto e estendeu o prazo para o dia 6 de julho daquele ano.

Diante de tantos atrasos e de já morar no imóvel sem os armários da cozinha, a consumidora contratou outro fornecedor para a realização do serviço.

Ainda inconformada, buscou a justiça para rescindir o contrato por culpa exclusiva da primeira empresa contratada para o serviço e, assim, fazer incidir a multa contratual por descumprimento, além de ser reembolsada na integralidade do valor pago. A autora ingressou com a ação tanto em desfavor do comércio onde fez a compra, quanto da franqueadora que ele representa, e requereu também o pagamento de indenização por danos morais.

Designed by Freepik

Em contestação apresentada pela defesa da franqueadora, esta alegou que não participou da negociação e venda, não podendo ser responsabilizada. Sustentou que os móveis são feitos de forma personalizada e sob medida, de maneira que a consumidora não pode pedir o cancelamento da compra. Por derradeiro, afirmou que, tão logo tomou conhecimento das reclamações da cliente, entrou em contato para solucionar e viabilizar a entrega dos móveis.

Por outro lado, o comércio afirmou que sempre cumpriu com suas obrigações, todavia foi atingido por uma crise financeira agravada pelo descumprimento dos contratos por parte da franqueadora. Ademais, citou ainda que a situação vivenciada pela consumidora não passa de mero aborrecimento e que o simples inadimplemento contratual não gera dano moral, o qual, sequer, ficou demonstrado nos autos.

Entretanto, na ação que tramitou perante a 14ª Vara Cível de Campo Grande, o magistrado proferiu sentença de procedência do pedido, determinando que as empresas requeridas restituam o valor desembolsado pela autora no ato da compra, além de pagar a multa de 10% prevista no contrato e, ainda, foram condenadas à pagar R$ 5.000,00 (cinco mil reais) de indenização por danos morais.

Designed by Freepik

Ao julgar a ação, o magistrado ressaltou que, de fato, aplicam-se ao caso as regras do Código de Defesa do Consumidor, o que, por sua vez, impõe a responsabilidade solidária dos requeridos. Isto significa que cada empresa é isoladamente responsável pela totalidade da obrigação declarada na sentença. O magistrado decidiu que: “Deste modo, devem ser julgados procedentes os pedidos iniciais para resolução do contrato e restituição das partes ao status quo, mediante condenação das rés à restituição do valor desembolsado pela autora no ato da compra, R$ 35.500,00 (trinta e cinco mil e quinhentos reais) o qual deverá ser corrigido monetariamente pelo IGPM/FGV, a partir do desembolso (10/12/2015) e acrescido de juros a partir da citação (art. 405, Código Civil) ”. O juiz ainda estipulou o pagamento da multa prevista no contrato, qual seja, de 10% sobre o valor avençado.

Em relação ao dano moral, o magistrado entendeu, a despeito das alegações dos requeridos, estar presente no caso, se posicionando da seguinte forma: “Não se trata de um mero produto de consumo, mas sim, de produtos essenciais, destinados a compor o interior da residência nova da autora e em um dos cômodos mais utilizados em toda moradia, que é a cozinha. Nesse aspecto, a natureza do produto e sua destinação encontram-se amplamente associados à dignidade da pessoa humana, sobretudo na perspectiva do direito fundamental à moradia. Assim, o inadimplemento noticiado nos autos, pelo prazo aproximado de 3 (três) meses, ultrapassa o mero aborrecimento e configura um dano moral”. Infelizmente, esse tipo de situação é muito comum e antes de se concretizar um negócio similar, é importante checar a situação jurídica da empresa fornecedora, o que pode ser feito tranquilamente por um advogado (fonte clipping da AASP de 20 de agosto de 2020)

Dr. Fabiano Lourenço de Castro

Lourenço de Castro Advogados

Rua Jandiatuba, nº 630, 6º andar, sala 614 – Bloco A
05716-150 – São Paulo – SP – Brasil
Fone: +55 11 3571 4261
www.lourencodecastro.com.br

Imagem destacada da Publicação:
Designed by Freepik

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Artigos recomendados