A Fotografia como instrumento de cidadania

Com o olhar literalmente focado na natureza, o fotógrafo paulistano (e morador do Morumbi) Mario Barila busca transformar seu meio de expressão em um efetivo ativismo: através de suas imagens ele desenvolve e realiza projetos ambientais e sociais nos locais fotografados com destaque para o incentivo ao reflorestamento, vital em algumas áreas. Idealizado e coordenado pelo fotógrafo, este é o conceito do Projeto Água Vida, que, entre outras ações, doa mudas e executa o plantio de espécies nativas da flora dos locais que visita fotografando. Esta iniciativa realizada em vários pontos do país como em Brumadinho após o trágico rompimento da barragem, na Ilha do Mel como resposta a grave ameaça de desmatamento que a região enfrenta e no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros que teve grande parte de sua área devastada por incêndios, ações essenciais para Mário, o fotógrafo considera que nunca foi tão importante como agora nadar contra a corrente de destruição sistemática da natureza brasileira.

 

© Mario Barila / Araucária milenar, gigantesca em Urubici, SC, que terá suas sementes coletadas, cultivadas e plantadas pelo Projeto Água Vida.

Iniciando na Fotografia com uma lendária câmera Zeiss Icon que pertencia a seu pai, com o tempo, para aprimorar suas imagens fez aulas com o renomado fotógrafo Araquém Alcântara que o convidou para assistências em suas produções fotográficas. O ativismo surgiu de forma espontânea. Sensibilizado com os cenários de adversidades presente nas pessoas e nos locais visitados, buscou um caminho para ajudar e a forma encontrada foi usar a venda de suas fotos para realizar ações sociais ou ambientais concretas nos locais fotografados. 

Com imagens que retratam a intensidade das cores e da beleza que insiste, mesmo em meio ao dramático cotidiano que o país enfrenta, histórias reais permeadas de problemas, mas também de força e sensibilidade compõem o Água Vida: atendendo trabalhadores do mar aflitos com o derramamento de óleo no nordeste, projeto apoiou os pescadores do Rio Vermelho e as marisqueiras da região da Ribeira em Salvador doando prontamente equipamentos por eles solicitados. No Piauí, nas Serras da Capivara e das Confusões, doou equipamentos de combate a incêndios e computadores para duas escolas locais, beneficiando a qualidade do ensino de centenas de crianças.

“Ir para a Amazônia para plantar árvores é um sinal claro que algo está muito errado no mundo”

O Projeto Água Vida impulsiona Mário a viajar pelo país, no Pará fez uma doação de mil árvores para a recuperação de uma área degradada no Parque Estadual do Utinga, Unidade de Conservação localizada em Belém. Atualmente o fotógrafo empreende viagens nos estados da região sul documentando áreas que ainda apresentam ocorrências de araucárias, aqui o objetivo é chamar atenção para a preservação de um conjunto de flora e fauna em risco de extinção: a árvore é fonte de alimento da gralha-azul, a ave coleta os pinhões que são suas sementes e os enterra espalhados para comê-los depois, mas como não lembra da localização de todos, alguns acabam germinando. Assim, as gralhas-azuis são essenciais para a dispersão de sementes das araucárias. Em Urubici, município de Santa Catarina, o Água Vida vai coletar as sementes de uma araucária milenar, gigantesca, cultivar e plantar, preservando e disseminando a herança desse indivíduo tão especial. As fotos destes ensaios serão vendidas e revertidas para esta finalidade.

O fotógrafo se sente gratificado em realizar essas ações e conseguir os desdobramentos exclusivamente com a venda das suas fotografias.

Projeto Água Vida

“Muita água, muita vida. Pouca água, pouca vida. Sem água, sem vida.”

A frase do velejador Sir Peter Blake sintetiza a importância vital da água para a vida no nosso planeta e serviu como inspiração para as ações do Projeto Água Vida, a iniciativa do fotógrafo e ambientalista Mario Barila que realiza ações sociais e ambientais nos locais visitados. Todas as doações do projeto são possíveis graças às vendas das fotos dos lugares visitados, os interessados em ajudar e participar dessa iniciativa podem entrar em contato com o fotógrafo através de seu site: http://mariobarila.com.br/

Mario Barila sempre gostou de fotografia, começou ainda adolescente com uma câmera Zeiss Icon de seu pai. Sempre que viajava buscava retratar os locais visitados. Insatisfeito com o resultado de suas fotos, procurou estudar o assunto e acabou fazendo vários Workshops com o renomado fotógrafo Araquém Alcântara, precursor da fotografia de natureza no Brasil. A essa altura Mario já estava usando uma Nikon F5, acabou ficando amigo e fez até algumas assistências para o mestre Araquém. Nas viagens pelo Brasil sempre havia muita pobreza e dificuldade nos locais visitados, isso levou o fotógrafo a buscar uma forma de ajudar as comunidades visitadas. A forma encontrada foi usar a venda das fotos para realizar alguma ação social ou ambiental nos locais fotografados. Desde então Mario já realizou ações de reflorestamento em Fernando de Noronha, na Chapada dos Veadeiros e em Mariana, doou computadores para escolas carentes em Ilhabela, nos Lençóis Maranhenses e nas Serras da Capivara e das Confusões. Mário ainda realizou doações para instituições como a Tucca, que cuida de centenas de crianças carentes com câncer, a Caraivaviva na Bahia e a Pastoral do Menor, no Pará. Mário está feliz em poder realizar essas ações exclusivamente com a venda das suas fotografias.

Colaboração de pauta:

Magali Martucci LUMIÈRE EVENTOS
Assessoria de Imprensa
Public Relations
Produção Cultural
+55 11 9.5982-9018
[email protected]

Imagem destacada da Publicação

© Mario Barila / Amazônia

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Artigos recomendados