Era do Indivíduo: o caminho daqui para frente

Por Camila de Aguiar

Se há alguns anos, o mais relevante era a empresa em que você trabalhava, o título que você tinha e o tempo de experiência na empresa, hoje essa lógica está invertida. Sim, estamos vivendo a “Era do Indivíduo” ou a “Era do eu”, como chamou o estudo de mesmo nome, realizado pela Interbrand, e que analisa as repercussões desse novo momento em três esferas: política, entretenimento e profissional.

No que tange o universo profissional, as mudanças são reais e cada vez mais presentes. De alguns anos para cá, temos visto donos e CEO´s de empresas como figuras centrais e até mesmo mais relevantes do que a própria marca. Temos aí Luiza Trajano, Washington Olivetto e Elon Musk para comprovar isso. Suas ações e imagens são atreladas à da empresa, e vice-versa. São players independentes, mas que se beneficiam dessa relação.

Imagem por Austin Distel em Unsplash

Exemplos extremos de marca pessoal, esses profissionais citados acima puxam um movimento que é uma verdadeira revolução quando pensamos em conceitos e expectativas em relação à carreira profissional. Trata-se da era de valorização da individualidade, da autenticidade e da personalidade. A marca pessoal está acima da corporação, algo inimaginável há alguns anos, quando o sinônimo de sucesso era ser um funcionário de carreira em uma empresa tradicional.

As mudanças constantes, a tecnologia e o boom do empreendedorismo são alguns dos fatores que exigiram um novo posicionamento dos profissionais. Em meio a um universo cada vez mais digital, remoto e tecnológico, surge uma necessidade maior de humanização. É como se o ser-humano buscasse refazer essa conexão já há algum tempo perdida. As marcas precisam mostrar-se mais humanas, por isso demandam que seus CEO ‘s, diretores e porta-vozes personifiquem-nas. Dessa forma, profissionais que sabem gerir seu branding pessoal são mais valorizados e têm mais valor de mercado.

Agora, o desafio é entender qual caminho trilhar para a construção do branding pessoal. É um processo que requer planejamento, estratégia, gestão e investimento, tal qual o de uma empresa. E mais do que isso: ao mesmo tempo, precisa criar conexões verdadeiras com as pessoas, empresas e marcas pessoais.

Esse processo começa pelo autoconhecimento, passa pelo posicionamento adequado e é estruturado por meio de uma boa gestão. Um branding pessoal forte precisa saber usar seus atributos, como habilidades e forças, e traduzir-se em uma marca única, forte e autêntica. Saber se posicionar, se comunicar e se vender também é necessário. É preciso mostrar o que você tem de melhor e de que forma suas atitudes e ideias podem solucionar problemas, criar oportunidades, alavancar projetos e fechar negócios.

Camila de Aguiar é empreendedora e estrategista em Branding Pessoal. Sua formação profissional passa pelos títulos de Personal Branding como estratégia na gestão de carreira pela Ilana Berenholc Personal Branding – CLI e Self and Professional Coach pelo IBC; consultora de imagem pelas Belas Artes, Master em Neuroestratégia e Pensamento Transversal, MBA em Marketing, Branding e Growth pela PUCRS

Este artigo foi sugerido também por Touchédigital Marketing OnLine
Inteligência para Marketing

Anterior
Próximo
Slider

Imagem destacada da Publicação

Imagem por Timon Studler em Unsplash

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Artigos recomendados