Eu reciclo, tu reciclas… nós não reciclamos!

Eleine Bélaváry

O Brasil é uma das nações que mais produz e menos recicla resíduos sólidos no mundo!!! E por que, em pleno Século XXI, ainda nos encontramos numa posição tão vergonhosa? Será porque a coleta seletiva é ainda muito limitada? Será pela ausência de conscientização e ação por parte da indústria e da população? Será pela falta de uma infraestrutura robusta para triagem? Ou porque muitas embalagens com o símbolo “reciclável” é apenas teoria? De verdade, é um conjunto de razões.

Cada um de nós brasileiros gera pouco mais de 1 quilo de resíduos sólidos por dia, 379 kg/pessoa, somando em um ano 79 milhões de toneladas de resíduos, como divulgado em 2020 (Abrelpe – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais).

Imagem por iStock

Este panorama torna-se ainda pior quando sabemos que em torno de 40% deste volume (30 milhões de toneladas) vai para aterros (na melhor das hipóteses), lixões, rios e oceanos – e somente cerca de 4% é reciclado. A perda de oportunidade econômica pela ausência de práticas ambientais adequadas é de R$ 14 bilhões por ano, deixando de gerar trabalho e renda para milhares de famílias. Além disso, cerca de 76 milhões de brasileiros têm sua saúde afetada por questões ambientais, resultando em um custo anual de 1 bilhão de dólares em tratamento de doenças.

Ainda de acordo com dados da Abrelpe, a quantidade de resíduos sólidos urbanos pode crescer 50% até 2050. Isso significa que precisamos agir já! Ao praticarmos o consumo consciente — comprando só o necessário, usando um item ou produto até o final de sua vida útil e descartando-o de forma correta — geramos menos resíduos e impulsionamos a reciclagem.

Imagem por iStock

Dicas do Instituto Akatu para diminuir a geração de resíduos

A reciclagem é a última etapa no ciclo do consumo, visto que, se indústria e sociedade se conscientizarem e se mobilizarem por práticas mais sustentáveis, seremos mais efetivos para reduzir a quantidade de resíduos. E lembrem-se sempre dos 5 Rs da sustentabilidade!

Repense: Evite deixar-se levar por impulsos momentâneos ou propagandas. Valorize o que é realmente essencial. Mas se realmente escolher comprar, questione se a marca escolhida está alinhada com o cuidado nas questões socioambientais, com a logística reversa e a economia circular.

Recuse: Diga não para itens supérfluos e de uso único, que geram mais resíduos, como sacolas plásticas ou canudos e talheres descartáveis ao pedir delivery. Recuse panfletos e brindes que você não irá usar. Recusar itens que certamente terão o lixo como destino é simples e ajuda a reduzir a quantidade de materiais destinados a aterros sanitários. 

Imagem por iStock

Reduza: Evite o excesso e o consequente desperdício. Vale para comidas!!!! Planeje suas compras. Diminua o uso de itens descartáveis, evite impressões desnecessárias, prefira produtos concentrados e em embalagens menores ou reutilizáveis. E use os produtos até o fim de sua vida útil. 

Reutilize: Se possível, dê novas funções para materiais e embalagens ociosas antes de pensar no descarte. Use a criatividade: potes de vidro podem servir para armazenar pequenos objetos, garrafas PET podem virar brinquedos, toalhas velhas podem virar pano de chão. E lembre-se que um objeto que você não precisa mais, pode ser útil para outra pessoa.

Recicle: Só depois de conjugar esses outros quatro verbos é que podemos planejar o descarte adequado de materiais e objetos para viabilizar a reciclagem do que é possível.

Imagem por iStock

Dicas para um descarte adequado de resíduos sólidos que impulsiona a reciclagem

  1. Resíduos orgânicos, como restos de alimentos, folhas e sementes, podem ser compostados. Resíduos sólidos, como plásticos, vidros, metais, papéis, lixo eletrônico e tudo que não possui origem biológica, deve ser destinado à reciclagem;
  2. Se possível, higienize os materiais recicláveis que contém resíduos orgânicos. Retire o excesso com um guardanapo, uma colher ou com um pouco de água. Isso facilita o trabalho das cooperativas e evita o mau cheiro e insetos nos pontos de coleta;
Unidades Coopercaps
  1. Informe-se sobre serviços de coleta seletiva no seu condomínio, bairro ou município. Se o seu prédio ainda não separa o lixo, converse com o síndico e mobilize seus vizinhos para implementar essa prática;
  2. Procure no site de seu município serviços de coleta seletiva, pontos de coleta, ecopontos e pontos de entrega voluntária.

No Morumbi, a cooperativa mais próxima é a Coopercaps Paraisópolis.
www.coopercaps.com.br  

Importante! Jogar resíduos sólidos no lixinho orgânico é um desperdício de matéria-prima e de dinheiro que poderia movimentar a economia e contribuir com uma economia mais circular. A reciclagem pode poupar recursos naturais e a emissão de gases de efeito estufa, uma vez que evita a produção de novos itens.

Unidades Coopercaps

Eleine Bélaváry é moradora do Morumbi, bióloga e Sócia proprietária da Connexion Negócios Sustentáveis

Imagem destacada da Publicação

Imagem por iStock

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Conheça nossa política de privacidade

vinheta-abril-2021-banner (1)
vinheta-abril-2021-banner (2)
vinheta-abril-2021-banner (3)
vinheta-abril-2021-banner (4)
vinheta-abril-2021-banner (5)
vinheta-abril-2021-banner (6)
vinheta-abril-2021-banner (7)
vinheta-abril-2021-banner (8)
Anterior
Próximo

Artigos recomendados

Comentários

  1. Muito bom e consciente!


Comments are closed for this article!