Tubarão podre e carne de cavalo: conheça quatro iguarias típicas da Islândia

Brasileiro mostra que nem só de peixe vive a Terra do Gelo e conta sua impressão sobre as comidas típicas do país

A partir de setembro um dos países mais belos do mundo voltou a receber turistas em busca principalmente de um dos fenômenos mais fantásticos da natureza, a aurora boreal.  O melhor período para visualização da aurora boreal na Islândia é entre setembro a abril e a previsão pós-pandemia é a retomada do turismo com força total, impactando positivamente na economia do país.

Marco Brotto, O Caçador de Aurora Boreal, é fã da Islândia e há mais de dez anos faz expedições frequentes ao país levando turistas em busca de aventura e da emoção que só as luzes do Norte proporcionam. Mas o que muitos não imaginam é que a gastronomia islandesa também é repleta de cores e sensações inéditas, assim como a aurora boreal.

“A culinária islandesa, assim como da maioria dos países nórdicos, tem a forte presença de ingredientes do mar. Na Islândia, um dos pratos mais tradicionais é o tubarão podre, que soa estranho para os brasileiros, mas lá é uma iguaria”, conta Brotto.

O Caçador de Aurora Boreal fez uma seleção dos quatro principais pratos que você não pode deixar de conhecer se for à Islândia:

Experimente o tubarão podre

Assim como a feijoada está para o Brasil, o Hákarl ou kæstur hákarl (significando tubarão e tubarão podre, em Islandês) é uma iguaria tradicional da culinária do país.  Ele faz parte do Þorramatur, o repasto que é o prato nacional da Islândia. O tubarão utilizado neste prato é venenoso, por isso ele passa por um processo de putrefação com amoníaco para deixá-lo comestível. O cheiro de amoníaco é uma das características da refeição, que é servida no palito.

Prato com tubarão podre é parte da cultura islandesa | Divulgação

Cabeça de ovelha para comemorar o inverno

O Svið é um prato tradicional que consiste em uma cabeça de ovelha cortada ao meio, sem pelos e sem o cérebro.  A iguaria é servida principalmente em festivais que comemoram o solstício de inverno e para muitos os olhos são a parte mais saborosa. “A carne tem um sabor suave, é especial”, detalha Brotto.

Cabeça de ovelha servida na Islândia | Foto: Marco Brotto
Carne de carneiro em restaurante na Islândia | Foto: Marco Brotto

O mascote não-oficial

O puffin é um simpático passarinho preto e branco que pode ser comido de diversas maneiras, cozido ou até mesmo cru. “Já vi puffin de todas as maneiras, mas apesar de ser um prato típico, não é muito comum comê-lo no dia a dia por ser o mascote não oficial do país”, explica Brotto.

Puffin é o mascote não oficial da Islândia | Divulgação

A controversa carne de cavalo

Até o século 11 era proibido consumir carne de cavalo na Islândia, porém, com a escassez de alimentos do século 18 o governo liberou o ingrediente. Apesar de soar estranho, e ser até mesmo um tabu em alguns países, a carne de cavalo já é um prato tradicional da ilha. Quem já provou diz que é muito saborosa e tenra.

Na Islândia se come carne de cavalo | Divulgação

Colaboração de Pauta:

Agência Souk

Maria Emilia Silveira

Assessora de Imprensa

[email protected]

+55 41 99894 1981

Marco Brotto, o caçador de Aurora Boreal, fez mais de 80 expedições para ver o fenômeno | Divulgação

Imagem destacada da Publicação

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Conheça nossa política de privacidade

vinheta-julho21-banner-(1)
vinheta-julho21-banner-(2)
vinheta-julho21-banner-(3)
vinheta-julho21-banner-(4)
vinheta-julho21-banner-(5)
vinheta-julho21-banner-(6)
vinheta-julho21-banner-(7)
Anterior
Próximo

Artigos recomendados