Situações adversas podem ser o caminho para a felicidade

Nas últimas duas décadas, o movimento da psicologia positiva iluminou a pesquisa psicológica com sua ciência baseada na felicidade, no potencial humano e no florescimento. Ele argumenta que os psicólogos não devem apenas investigar a doença mental, mas também o que faz a vida valer a pena.

O fundador da psicologia positiva, Martin Seligman, descreve a felicidade como a experiência de emoções positivas frequentes (como alegria, entusiasmo e contentamento), combinadas com sentimentos mais profundos de significado e propósito. Implica uma atitude positiva no presente e uma visão otimista para o futuro.

É importante ressaltar que os especialistas em felicidade argumentaram que a felicidade não é um traço estável e imutável, mas algo flexível em que podemos trabalhar e, em última instância, nos empenhar. A terapeuta especialista em psicologia positiva, Mariana Maciel, lembra que na receita para a felicidade existe espaço para problemas e dificuldades. “Não dá para ser feliz o tempo todo. Esforçar-se por uma vida feliz é uma coisa, mas esforçar-se para ser feliz o tempo todo é irreal”, conta.

Pesquisas recentes indicam que a flexibilidade psicológica é a chave para maior felicidade e bem-estar. Por exemplo, estar aberto a experiências emocionais e a capacidade de tolerar períodos de desconforto pode nos permitir avançar em direção a uma existência mais rica e significativa.

De acordo com Mariana, estudos demonstraram que a maneira como respondemos às circunstâncias de nossas vidas tem mais influência em nossa felicidade do que os próprios acontecimentos. “Experimentar estresse, tristeza e ansiedade a curto prazo não significa que não podemos ser felizes a longo prazo”.

A especialista conta que, em estudos com pessoas que enfrentam traumas, muitos descrevem suas experiências como um catalisador para mudanças e transformações profundas, levando a um fenômeno conhecido como “crescimento pós-traumático”. Frequentemente, pessoas que passam por eventos difíceis, encaram doenças e perdas, conseguem superar estas adversidades, evoluir, e passam a descrever suas vidas como mais felizes e significativas após tais eventos.

E como levar uma vida feliz? Mariana diz que, ao contrário de se sentir feliz, que é um estado transitório, levar uma vida mais feliz tem a ver com crescimento individual por meio da descoberta de um significado. “Trata-se de aceitar nossa humanidade com todos os seus altos e baixos, desfrutar das emoções positivas e aproveitar os sentimentos dolorosos para atingir nosso pleno potencial.” afirma.

Terapeuta Mariana Maciel especialista em psicologia positiva

Colaboração da pauta:

Mariana Maciel

@marimacielv

[email protected]

Imagem destacada da Publicação

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Conheça nossa política de privacidade

vinheta-dolce-setembro21-banner-(1)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(2)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(3)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(4)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(5)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(6)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(7)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(8)
Anterior
Próximo

Artigos recomendados