O desafio de ser mãe em home office

Dolce Mulher

Ana Kekligian

Uma reflexão sobre nossos papéis

Quando nos deparamos com as escolhas na vida, sabemos o quanto nós, mulheres, somos cobradas quando pretendemos ter uma carreira de sucesso, assim como quando desejamos ser mães.

O equilíbrio é um caminho cheio de desafios, sentimentos contraditórios e pode acabar se tornando doloroso para muitas de nós. Pois, alguns paradoxos entre culpa e desejo podem surgir quando precisamos assumir e realizar as tarefas do dia a dia.

Somos mães, profissionais, esposas, filhas e amigas. E é importante buscar entender e acessar uma perspectiva sincera sobre como administrar todos estes papéis que assumimos.

Isto porque, na maioria das vezes, estamos fazendo a gestão de uma casa, de uma família, de uma equipe e, entre outros papéis e compromissos ao mesmo tempo, gerindo nossas emoções repletas de sentimentos que se encontram e desencontram em conexões intermináveis que se fundem entre o que o somos e o que querem que sejamos.

E, junto com todos estes desafios, atualmente vivemos um momento pandêmico, que provoca um choque ainda maior em nossa rotina, potencializa as cobranças e faz com que seja necessário parar e sentir que é hora de nos posicionar, de começar a distribuir alguns “nãos”, de pôr basta que situações que nunca deveriam ter sido permitidas, abrir mão de coisas que não valem mais a pena carregar, de começar a acreditar mais em nosso potencial, de nos incomodarmos e buscar ajuda com quem está ao nosso lado ou até mesmo profissional. É tempo de reorganizar tudo, começando pelo nosso interior.

Faça isso antes que a vida te obrigue a parar novamente e de forma dolorosa.

Hoje mais do que nunca reconheço a importância da tríade que nos habita e que clama por cuidados: O Corpo, a Mente e o Espírito. Se você negligenciar, a conta vai chegar. Ou ela já está aí batendo na sua porta?

Nós sabemos que, a questão de assumirmos diversos papéis, existe muito antes do home office. Porém, a grande diferença atual é que, todos estes papéis se misturaram dentro de um mesmo ambiente. Está tudo junto, misturado e embaralhado. E se você não organizar tudo isso, se não houver disciplina, planejamento e ajustes na rotina, sua produtividade vai ser afetada, o seu foco ficará ofuscado, sua disciplina será caótica e consequentemente a motivação se perderá.

Outro fato a considerar é que esta pandemia vai passar. Porém, para muitas de nós, o trabalho de forma remota não. Digo isto porque este modelo vem ganhando adeptos no Brasil e grande parte do mercado corporativo seguirá com uma equipe remota ou híbrida.

Este modelo tende a se tornar ainda mais exaustivo pela ausência da rotina, onde podemos desenvolver um comportamento vicioso de estarmos em constante movimento e no automático.  Esta sensação de mantermos dois locais de trabalho, um em casa e outro no escritório, pode nos levar a uma mudança psicológica, causando exaustão e baixa produtividade, e assim, perdermos de vista o que realmente é importante para nós como: parar e cuidar de quem amamos, começando por nós.

Com estes dados, precisamos entender de forma clara como a nossa rotina nesses novos formatos continuará sendo desafiadora.

  • Em 2021, uma pesquisa realizada pela Catho aponta que 96% das mulheres que estão em Home Office também são responsáveis pelos filhos, que estão em casa no mesmo período.
  • Segundo o IBGE, o combo: trabalho + cuidado de casa + filhos, faz com que as mulheres brasileiras exerçam 10 horas e 24 minutos extras a mais por semana que os homens.
  • 63% das mães tiveram sintomas depressivos durante a pandemia, conclui o estudo ‘O impacto da pandemia do coronavírus e do isolamento social: Examinando indicadores de comportamento da criança e da parentalidade’ realizado pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP – USP) com apoio da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal em 2020.
  • Em um estudo recente realizado pela plataforma de envolvimento de funcionários Tinypulse, mais de 80% dos líderes relatam que o modelo de trabalho híbrido é exaustivo para os funcionários. E os trabalhadores também apontaram este modelo como emocionalmente mais rigoroso.

A partir daqui conseguimos mapear e entender como estamos nos desdobrando para conciliar filhos, trabalho, vida financeira, bem-estar juntamente com a nossa saúde psicológica. E como há um excesso de responsabilidade em nós.

Temos medos de falhar, de perder, até de parar e acabamos ficando desgastadas e sentimos culpa…, mas escute, meu clamor: VOCÊ NÃO É, E NUNCA SERÁ, PERFEITA. E sua família não precisa de uma super-herói, e sim mais inteira, linda, leve e o seu trabalho só precisa daquilo que você já provou ser capaz.

MUDE, peça apoio, se priorize, se ame, encontre respostas. Caminhe o caminhe do que verdadeiramente te faz feliz e coloque regras em você mesma.

Compreender as nossas emoções, principalmente dentro deste cenário, pode parecer uma realidade distante. Mas é possível descobrir quais são nossos gatilhos e, a partir disso, criar mecanismos para que nossos sentimentos sejam favoráveis a nós e a todos à nossa volta.

E sabendo que não iremos sentir somente emoções positivas, a Inteligência Emocional bem desenvolvida fará com que, além de compreendermos o que sentimos, também ensinará a lidar com as situações de maneira mais assertiva e desprendendo muito menos energia.

Precisamos integrar todos os nossos papéis como mulher e, da mesma forma, agirmos integralmente para que nossas vidas sejam sempre vividas de forma autêntica, saudável, justa e com resultados em todas as áreas. Caso contrário, você será esmagada pelas cargas que decide carregar e da forma como está fazendo.

O poder da mulher está no autoconhecimento e você deve compreender isso, para ter uma vida congruente entre seus sonhos e suas escolhas. Assim, ao invés desses 2 mundos externo e interno se chocarem, eles poderão se integrar para a sua felicidade

Somos fortes e quando estamos abertas a uma conversa e ao aperfeiçoamento, conseguimos perceber que passamos por diversos dilemas parecidos dentro do universo feminino. É necessário que nosso crescimento seja baseado em uma vida com significado.

Por isso, hoje, convido todas vocês a decidirem quem querem ser daqui para frente!

Ah, e perguntem para eles, os seres mais importantes da sua vida, seus filhotes: o que eles mudariam em você, se pudessem? Comece a sua reflexão por aí e depois decida você, quem quer ser.

Deixo aqui um canal aberto para que compartilharem comigo seus anseios e, a partir disso, vamos juntas criar um elo forte para que nosso presente construa um futuro como merecemos.

Até a próxima.

Ana Kekligian é Master Coach de Desempenho e Especialista em Inteligência Emocional com foco na vida pessoal e profissional. Idealizadora da EBC (Empresa Brasileira de Coaching). Atualmente, possui cinco importantes certificações internacionais pelo IBC (Instituto Brasileiro de Coaching): Professional & Self Coaching, Coaching Ericksoniano, Master Coach, Inteligência Emocional e Análise Comportamental. Conta também com a certificação de Especialista em Inteligência Emocional pela SBIE (Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional), Especialista em Produtividade com: Triad Certified Productivity Specialist, formada pela TriadPS e Master Analista Comportamental pelo Instituto ILG. Atuou por quase 20 anos no mercado corporativo como executiva de marketing com destaque para o marketing direto e publicitário. E é CEO de suas emoções.

Conheça seus perfis:

mulher-absoluta-in-company-banner-1200X400)
AUTOCONHECIMENTO PARA MULHERES
previous arrow
next arrow

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Conheça nossa política de privacidade

vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (1)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (2)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (3)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (4)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (5)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (6)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (7)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (8)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (9)
Anterior
Próximo

Artigos recomendados

Ainda não há comentários. Deixe o seu abaixo!


Deixe uma resposta