Atenção e acompanhamento na saúde masculina começam nos primeiros anos de vida

A orientação é do médico Dr. José Guilherme Oliveira, da Amparo Saúde, que explica os fatores que contribuem para uma vida mais saudável do público masculino

Imagem de ijeab no Freepik

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam: em todo o mundo, um em cada nove homens será diagnosticado com câncer de próstata durante a vida. No Brasil, os números ganham ainda mais relevância quando observados os indicadores do Instituto Nacional do Câncer (Inca), que mostram que a cada 38 minutos um homem morre devido à doença no Brasil.

No mês de alerta para o câncer de próstata, o “Novembro Azul”, a incidência da doença preocupa, mas também chama a atenção para diversos fatores que expõem o público masculino a diversas outras doenças e muitas delas relacionadas à questão comportamental, explica o médico de família, Dr. José Guilherme Oliveira.

“Não é apenas no mês de alerta para o câncer de próstata que os homens precisam estar atentos aos cuidados com a saúde. Pelo contrário! A data é um sinal de alerta para o cuidado com a saúde do homem como um todo. É muito comum observarmos que os homens tendem a priorizar outras agendas e deixar um pouco de lado os cuidados preventivos. Por isso é tão importante um acompanhamento integral desde os primeiros anos de vida. Quando o paciente se desenvolve consciente quanto a importância dos cuidados, o índice de engajamento com a jornada de atenção à saúde é maior”, explica.

Ainda de acordo com o especialista, o acompanhamento mais próximo vai além da forte relação construída ao longo dos anos e proporciona um histórico de saúde que permite um cuidado mais direcionado, em caso de alguma necessidade mais específica.

“O histórico do paciente é fundamental para que, de forma conjunta, possamos proporcionar um cuidado assertivo, além de promover melhoras significativas na qualidade de vida, na manutenção da saúde, nos cuidados com diversas doenças”.

Imagem de pressfoto no Freepik

O impacto da pandemia na saúde masculina

Outro dado que o médico observa com preocupação é baseado no Painel Oncologia Brasil (Datasus), chamando atenção para a incidência de cânceres urológicos masculinos registrados no país entre 2019 e 2022. Segundo os indicadores, houve uma redução de 47% no diagnóstico de câncer de próstata, mas a queda pode estar associada a um fator preocupante.

“Estamos falando de um período de pandemia, em que por medidas de restrição, muitos pacientes deixaram de lado os exames de rotina. Acredito que este é um dos impactos negativos da crise sanitária e pode estar relacionado à essa redução no número de diagnósticos. Por isso, é preciso atenção redobrada neste novo momento em que estamos, para observar se haverá um crescimento de diagnósticos mais tardios ou agravamento da doença devido à demora na detecção de tumores.”

O médico alerta para os dados da Sociedade Brasileira de Urologia, que apontam que cerca de 25% dos pacientes em tratamento contra o câncer de próstata perdem a batalha contra a doença. Ainda de acordo com a entidade, em todo o país, cerca de 20% dos casos deste tipo de câncer são diagnosticados em fase avançada. Percentuais que alertam para a importância dos cuidados preventivos, explica o especialista.

“Quando estamos mais próximos dos nossos pacientes, podemos indicar e monitorar toda a rotina de cuidados que passam por exames de rotina como hemograma, eletrocardiograma, colesterol e glicemia. São informações que entram para um histórico da saúde e nos permite ter mais clareza quando algo está fora de ordem”, afirma.

O médico explica também que em caso de doenças oncológicas, o diagnóstico precoce tem impacto determinante no tratamento. “Diagnósticos tardios podem resultar no pior prognóstico, gerar tratamentos mais invasivos e desfechos menos favoráveis aos pacientes. Por isso, se cuide. Investir em prevenção e priorizar a saúde são sempre as melhores opções”, conclui.

Imagem de Freepik

O Câncer de próstata*

O Ministério da Saúde explica que o câncer de próstata é o tumor que afeta a próstata, glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que liga a bexiga ao orifício externo do pênis. O câncer de próstata é o mais frequente entre os homens, depois do câncer de pele. A doença é confirmada após fazer a biópsia, que é indicada ao encontrar alguma alteração no exame de sangue (PSA) ou no toque retal, que são prescritos a partir da suspeita de um caso por um médico especialista. As células são as menores partes do corpo humano. Durante toda a vida, as células se multiplicam, substituindo as mais antigas por novas. Mas, em alguns casos, pode acontecer um crescimento descontrolado de células, formando tumores que podem ser benignos ou malignos.

Sintomas*:

De acordo com o Ministério da Saúde, na fase inicial, o câncer de próstata pode não apresentar sintomas e, quando apresenta, os mais comuns são: dificuldade de urinar; demora em começar e terminar de urinar; sangue na urina; diminuição do jato de urina; necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite.

Fatores de risco*:

Segundo o Ministério da Saúde, alguns fatores podem aumentar as chances de um homem desenvolver câncer de próstata, como:

Idade: o risco aumenta com o avançar dos anos. No Brasil, a cada dez homens diagnosticados com câncer de próstata, nove têm mais de 55 anos.

Histórico de câncer na família: homens cujo pai, avô ou irmão tiveram câncer de próstata antes dos 60 anos, fazem parte do grupo de risco.

Sobrepeso e obesidade: estudos recentes mostram maior risco de câncer de próstata em homens com peso corporal mais elevado.

Exames para investigar sintomas*:

O Ministério da Saúde explica que para investigar sinais e sintomas de um câncer de próstata e descobrir se a doença está presente ou não, são recomendados dois exames iniciais.

Exame de toque retal: o médico avalia tamanho, forma e textura da próstata, introduzindo o dedo protegido por uma luva lubrificada no reto. Este exame permite palpar as partes posterior e lateral da próstata.

Exame de PSA: é um exame de sangue que mede a quantidade de uma proteína produzida pela próstata — Antígeno Prostático Específico (PSA). Níveis altos dessa proteína podem significar câncer, mas também doenças benignas da próstata.

*Fonte: Ministério da Saúde

O Grupo Sabin possui um portfólio com mais de 7.300 serviços de saúde, desde análises clínicas, diagnósticos por imagem, vacinação e check-up executivo do Sabin, acesse o site da empresa. Fundado em Brasília, há 38 anos, pelas bioquímicas Janete Vaz e Sandra Soares Costa, o Grupo Sabin está presente em 12 estados e no Distrito Federal. A empresa conta com mais de 6.700 colaboradores e soma 324 unidades distribuídas de norte a sul do país. Além da medicina diagnóstica, a empresa atua em Atenção Primária à Saúde (APS), com a Amparo Saúde, e lançou no ano passado, a plataforma integradora de serviços de saúde, Rita Saúde.

Linkedin | Instagram | Facebook | Youtube

Colaboração da Pauta

FSB Comunicação

Viviane Mélem
viviane.melem@fsb.com.br

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Conheça nossa política de privacidade

vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (1)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (2)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (3)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (4)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (5)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (6)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (7)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (8)
vinheta-janeiro-2012-banner-v1 (9)
Anterior
Próximo

Artigos recomendados

Ainda não há comentários. Deixe o seu abaixo!


Deixe uma resposta