Um dia para aqueles que nos mimam e que estão nas nossas melhores lembranças. Dia dos Avós!

Muitas de nossas memórias afetivas têm a presença de nossos avós. Sabemos de muitas histórias e provavelmente da simbologia das nossas primeiras curiosidades da infância tirada da convivência desses cujos colos já dormimos e em cujas casas tínhamos (ou temos ainda!) cantos preferidos nos quais sentíamos (e ainda nos sentimos!) seguros, além de ter todo o privilégio e a preferência que só quando se é neto tem.

No dia 26 de julho é comemorado o dia dos avós. E fora estabelecido pelo Papa Paulo VI, mas as celebrações para os avós vinham de longa data, lembrando Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo. A data da festa de São Joaquim sofreu várias alterações ao longo dos tempos. Inicialmente era celebrada no dia 20 de março, associada à de São José e depois transferida para o dia 16 de agosto. Em 1879, o Papa Leão XIII, cujo nome de batismo era Gioacchino (Joaquim, em italiano), estendeu sua festa a toda Igreja e depois o Papa Paulo VI associou num único dia, 26 de julho, a celebração dos pais de Maria Santíssima.

Imagem por Andrea Piacquadio

Mas o dia só pegou mesmo em meados dos anos 1980 quando uma senhora portuguesa de Penafiel, cidade da região do Porto, Ana Elisa do Couto (1926-2007), conhecida como “Dona Aninhas”, avó de quatro netas e dois netos, passou a defender a comemoração do dia, militando em vários países, incluindo o Brasil. Ela argumentava que aqueles que carregavam a experiência da vida mereciam ser valorizados e lembrados de forma especial nesta data. Ela acabou sendo homenageada com uma placa fixada em praça pública em sua cidade.

História*
Conta a história que, no século I a.C., Ana e seu marido, Joaquim, viviam em Nazaré e não tinham filhos, mas sempre rezavam pedindo que o Senhor lhes enviasse uma criança. Apesar da idade avançada do casal, um anjo do Senhor apareceu e comunicou que Ana estava grávida, e eles tiveram a graça de ter uma menina abençoada a quem batizaram de Maria.

Devido à sua história, Santa Ana é considerada a padroeira das mulheres grávidas e dos que desejam ter filhos. Ana morreu quando Maria tinha apenas três anos. Maria cresceu conhecendo e amando a Deus e foi por Ele a escolhida para ser mãe de seu filho Jesus Cristo.

São Joaquim e Santa Ana são os padroeiros dos avôs e avós.

*Fonte: Wikipedia

Imagem por Vidar Nordli Mathisen

Imagem destacada da Publicação: Designed by Freepik

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Artigos recomendados