Jamais esqueça que não perdemos o que não temos

Pamela Magalhães

CRP : 06/88376

A Psicóloga Pamela Magalhães escreve nesta coluna quinzenalmente respondendo a perguntas enviadas por leitores e leitoras ao e-mail [email protected].
Você pode enviar suas perguntas para a Pamela também através do formulário ao final desta página.
São selecionadas três perguntas e a
s pessoas que tiverem as suas escolhidas, tem suas privacidades totalmente preservadas.

Dolce Morumbi

Ao investir em uma relação, temos que entender o que esperar desse compromisso mútuo para nossos afetos

Olá Pamela, tenho uma filha cujo pai dela é uma pessoa que tenho grande sentimento.

Nunca tivemos nada sério, porém quando estive grávida ele sumiu e começou namorar. Hoje ele está solteiro, está mais próximo e sinto que tenta me agradar, compra comidas que gosto, me deu um celular, me elogia e trata bem nossa filha. Porém não sei se ele está querendo algo comigo, também não sei se valeria a pena me relacionar com ele. Às vezes, acho que ele só quer ficar comigo pra minha filha não ter outro homem próximo. Como saber se vale a pena e a real intenção dele? (L.P.)

Minha querida, primeiro pensei em como é bom saber que o homem que o pai da sua filha é um homem especial para você. Isso significa muito. Sobre o que você pensa sobre a aproximação dele, é essencial observar os ditos e não ditos da interação. Separe suas expectativas e idealizações, para perceber com mais clareza a postura dele em sua vida. Depois disso, chame-o para uma boa conversa, franca e que não tirará pedaço de ninguém, muito pelo contrário, olho no olho vocês poderão entender o que esperar dessa relação e se vale a pena investir mais ou não. Jamais se esqueça que não perdemos o que não temos.

Designed by senivpetro Freepik

A mais ou menos 1 mês sai de um relacionamento bem intenso, nós nos gostamos porem não tinha como continuar o namoro pois ela tem crises de ansiedade das quais se sente toxica para mim, decidi sumir e me afastar, porem em outros momentos quando está bem, me trata super bem, diz que me ama e etc.  Dessa forma eu decidi não continuarmos mais, mas sinto muita falta dela por ainda ama-la demais, gostaria de saber o que faço para esquecer essa pessoa pois ela não tem responsabilidade afetiva comigo e isso tem me machucado muito. (S.F.)

S. li a sua mensagem e pensei em como é difícil nos envolvermos com pessoas instáveis emocionalmente, nunca sabemos o que esperar delas. A instabilidade de humor é muito mais do que uma crise de ansiedade, mas oscilações de posturas, humor, intenções e sensações, que quando não tratadas é de enlouquecer qualquer um que esteja por perto. Caso essa pessoa não queira mesmo buscar o tratamento adequado, a melhor forma de aprender a viver sem ela é lembrar da impossibilidade de conviver com alguém assim e do quão tóxica é essa relação e o tamanho sofrimento gerado que não compensa os poucos momentos harmoniosos existentes. Nunca será fácil viver esse afastamento de quem a gente gosta, mas trata-se de um período de dor que vai sendo elaborado e estruturado conforme seus objetivos de vida e elucidação sobre a inviabilidade da situação. Logo passa e você estará refeita, e o melhor, em paz de ter feito a coisa certa.

Designed by senivpetro Freepik

Pam, tudo bem querida? Acompanho você a um bom tempo, e sua página se tornou importante pra mim logo que terminei um relacionamento que amanhã faz 9 meses. Tenho lutado contra meus sentimentos que inutilidade, engraçado que eu nunca tinha me sentido assim até passar por esse episódio na vida. Lembro que minha ex-sogra nunca aceitou o namoro, sempre dizia que o filho era imaturo que a gente não ia dar certo. E pra ele ela falava de mim, enfim. A mãe dele me tratou muito mal, me desprezava, nunca atendeu minhas ligações e eu sempre mantive minha postura perante ela pra não ter problema. Queria saber se ele me amava ou se a mãe pode ter tido influência. Estou me sentindo esgotada emocionalmente. (K.M.)

K. por mais que alguém nos influencie em nossas posturas, a decisão é sempre de nossa responsabilidade. Se a resposta fosse, SIM! A mãe dele que influenciou em todo esse comportamento. Isso mudaria alguma coisa? No máximo teríamos um homem extremamente vulnerável, frágil, dominado e permissivo diante dos gostos da mãe. Fico aqui só imaginando o futuro que a aguardaria com um companheiro sem voz e com atitudes coordenadas pela mãe. Reveja sua história, seu merecimento e o que deseja para a sua vida. Existem relações que não decolam e no momento de dor, por nos sentirmos rejeitadas, injustiçadas e abandonadas, pensamos em todas as razões do mundo para isso acontecer e buscamos até em nós mesmas os motivos para tanto e esquecemos de considerar que não ter dado continuidade, pode ter sido um belo de um livramento, para permitir algo muito melhor chegar na nossa vida. Confie.

Designed by marymarkevich Freepik

Para a Pamela, seus sentimentos são a sua história.

Quer enviar sua pergunta para a Pamela? Preencha o formulário abaixo ou envie para o e-mail
[email protected]
Três perguntas são selecionadas a respondidas a cada quinzena

Participe! Envie seu comentário ou sua pergunta para Pamela.

Pamela Magalhães é Psicóloga, Especialista Clínica e Terapeuta de Casal e Família.
Bastante influente nas mídias em geral, ficou conhecida como Especialista em Relacionamentos pelos seus quadros no Programa Mulheres da Tv Gazeta e Tribuna Independente da Emissora Rede Vida e movimenta uma rede de seguidores de mais de 630K nas redes sociais em especial no instragram como @psipamela
Além de comentarista de comportamento e Psicóloga Clínica, realiza palestras em todo Brasil e comanda o podcast Coração Peludo na plataforma da Jovem Pan. CRP:06/88376

Imagem destacada da Publicação:
Designed by jcomp-Freepik

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Artigos recomendados