O que é a Síndrome da Gaiola e como ela está impedindo jovens de saírem de casa

Embora o isolamento seja importante neste momento de pandemia, alguns fatores estão contribuindo para a piora do desenvolvimento social

A pandemia da Covid-19 trouxe consigo novos hábitos, comportamentos e sentimentos que a população não estava familiarizada. Uso de máscaras, álcool, limpeza de compras, lavagem de mãos a todo o momento e o isolamento e distanciamento social se tornaram regras globais. 

Entretanto, embora todo o mundo deva seguir as mesmas normas, as pessoas estão lidando com elas de formas diferentes. “Enquanto algunsestão se dando bem com o distanciamento, outros já desenvolveram muitos sentimentos negativos quanto à falta de interação”, explica a psicóloga Patrícia Lenine, “Além disso, também houve o desenvolvimento do medo dessa interação, do receio de voltar a conviver em sociedade e não saber como lidar com o novo mundo”, completa.

Para os jovens, a situação atual está fazendo mais efeito, já que estão em épocas da vida em que, normalmente, querem sair, ir às festas, se divertir e viajar. Entretanto, embora haja a vontade de viver da porta para fora, muitos desenvolveram a denominada “Síndrome da Gaiola”. “Chamamos este distúrbio assim como forma de associar às aves que, mesmo quando têm a oportunidade de saírem por ter sua gaiola aberta, não se livram do ambiente por medo do que tem lá fora”, conta a psicóloga Christiane Valle.

A partir deste medo, as psicólogas explicam que o desenvolvimento de ansiedade, depressão e TOC são mais propensos, o que os motiva ainda mais a ficarem dentro de casa. Os transtornos psicológicos estão cada vez maiores dentre os adolescentes. Apenas no Brasil, 26% dos 7 mil jovens entrevistados pelo Instituto de Psiquiatria da USP foram diagnosticados com ansiedade e depressão.

“Por isso, mais do que nunca, este momento pede que pais, responsáveis e escola se comuniquem com frequência quanto aos cuidados dos alunos, além de estarem sempre presentes para auxiliá-los neste período tão difícil”, fala Patrícia. A psicóloga Chistiane completa dizendo que, “além de todo o apoio familiar e educacional, as crianças e adolescentes necessitam de acompanhamento psicológico, mesmo aqueles que não demonstram nenhum sinal claro de algum transtorno”. 

Zero Barreiras – Psicologia Online
É um grupo de psicólogos que realizam atendimentos online e prezam pela saúde mental corporativa.

Responsáveis Técnicas:
Christiane Valle, formada em Psicologia pela PUC-Rio, 1995. Pós-Graduação em Psicologia Clínica pela PUC-Rio, 2007. Psicóloga responsável pelo departamento Qualidade de Vida na Nephro Consultoria, desde 2008; Consultório particular, foco em doença crônica, desde 2000; Psicóloga-assistente Hospital Barra D’Or, 1998-2001 – CRP/RJ 23227;

Patrícia Lenine, psicóloga formada pela UERJ, com especialização em Gestalt Terapia, Programação Neurolinguística e Coaching. Com mais de 20 anos de experiência profissional, vem estudando sobre as técnicas corporais no processo psicoterapêutico – CRP/RJ 20557.
Instagram: @zerobarreiras l LinkedIn: @zerobarreiraspsicologia l Twitter: @zerobarreiras l Facebook: @zerobarreiras

Colaboração da pauta:

Medellín Comunicação
Rita Parússulo
+55 11 98278 8462
+55 11 95983 5194
+55 11 98881 7949
[email protected]

Imagem destacada da Publicação

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Conheça nossa política de privacidade

vinheta-abril-2021-banner (1)
vinheta-abril-2021-banner (2)
vinheta-abril-2021-banner (3)
vinheta-abril-2021-banner (4)
vinheta-abril-2021-banner (5)
vinheta-abril-2021-banner (6)
vinheta-abril-2021-banner (7)
vinheta-abril-2021-banner (8)
Anterior
Próximo

Artigos recomendados