Escorpião amarelo: pronto para matar e sobreviver

Em tempos de cuidados com o Coronavírus, é preciso

também prestar atenção a outras ameaças cotidianas.

por Carlos V. Peçanha

Se num futuro distante, os bio-designers fizessem um concurso para premiar projetos de organismos mais capazes de triunfar na batalha da vida, dificilmente os vencedores conseguiriam superar animais como tubarões e escorpiões.

Atualmente no Brasil os escorpiões são responsáveis por mais acidentes com humanos que a soma de todos os demais animais peçonhentos (cobras, aranhas, abelhas, etc.), somando em 2018 mais de 150 mil casos registrados.

No caso do Escorpião Amarelo (Tityus serrulatus), as características e habilidades fazem com que seja um problema e perigo crescente nas cidades, pois se adaptou muito bem as condições de abrigo e microclima geradas pelo meio urbano. Além disso se reproduzem por partenogênese (reprodução sem o sexo oposto), podendo colonizar um novo local a partir de um único indivíduo.

Da ordem dos aracnídeos, os escorpiões não são insetos e conseguem se ocultar durante o dia e sair para caçar a noite, junto ao homem a ausência de predadores (aves, lagartos e sapos) aliada a abundância de baratas, suas presas mais frequentes, fizeram proliferar muito esta espécie nas cidades. Normalmente, os escorpiões se abrigam em frestas e fendas na área externa das casas como em pilhas de pedras, madeiras, telhas e tijolos de onde saem para explorar o ambiente buscando sua caça. Acabam assim por entrar em tubulações (elétricas, telefônicas, hidráulicas) e invadir as casas diretamente passado pela fresta sob as portas e janelas, abrigando-se próximos aos seres humanos sem ser notados.

Uma vez dentro das casas podem se alojar em roupas, sapatos, brinquedos, utensílios e ali permanecer imóveis. Ao serem perturbados seu comportamento é de fuga e defesa, podendo picar seguidas vezes quando ameaçados ou prensados contra uma superfície.

Os Escorpiões Amarelos possuem o quinto veneno mais potentes do mundo entre os escorpiões. O efeito cito e neurotóxico do coquetel de toxinas presentes, causa intensa dor em adultos e pode levar a óbito crianças e idosos.

O Escorpião Amarelo se espalhou pelo Sudeste, Centro-Oeste e Sul do Brasil, sendo transportado de carona juntamente com frutas e legumes.

Escorpião Amarelo

Tityus Serrulatus (Buthidae)

Foto de José Roberto Peruca

Como evitar acidentes

A primeiro passo para evitar acidentes é não permitir a colonização e entrada dos escorpiões em sua casa, além disso.

  • Manter controladas as baratas que são suas presas
  • Manter materiais de construção, lenha e sobras de obra, afastados das casas e embalados.
  • Vedar o acesso sob portas com frisos de borracha e ao redor de tubulações com telas. Dar acabamentos lisos ao redor de janelas e junção parede telhado.
  • Usar ralos telados ou do tipo abre-fecha.
  • Verificar rotineiramente sob móveis e pontos escuros.
  • Ao notar a presença de escorpiões procure ajuda de profissionais especialistas, pois a tentativa de controlar escorpiões por conta própria com inseticidas de uso doméstico, pode causar sua fuga imediata e com isso gerar mais acidentes em todo o entorno do local tratado. Os escorpiões são capazes de detectar os inseticidas normais antes de receber uma dose letal, fugindo bastante agressivos pelo efeito parcial dos produtos.

Este é um problema crescente que merece toda a atenção para proteger sua família.

Carlos V. Peçanha é Biólogo e Diretor Técnico da Rentokil.

A Rentokil tem mais de 90 anos de experiência na prestação de serviços em controle de pragas, desinsetização, desratização, descupinização, controle de pombos em casas e empresas por todo o mundo. Para saber mais acesse www.rentokil.com.br

Artigos recomendados