Como ajudar a criança ou adolescente a lidar com a morte de um familiar ou ente querido

Cynthia Passianotto

Uma criança pode ter mais dificuldade em aceitar a perda de um familiar do que um adulto, pois nem sempre tem a bagagem da vida para compreender o que realmente aconteceu e nem sempre sabe como gerir as suas emoções. Uma criança sente saudades da pessoa que partiu e preocupa-se como essa pessoa está e onde se encontra. Uma criança que está passando por uma perda necessita de todo o apoio dos adultos que a rodeiam.

Usualmente uma criança que experiencia a dor de uma perda demonstra:

– Depressão e ansiedade;

– Atitudes de fúria sem motivo aparente;

– Finge que é mais nova do que a sua idade;

– Culpa-se pelo fato de a pessoa ter desaparecido da sua vida.

Você deve:

Explicar a perda para a criança.  Seja honesto sobre o que aconteceu, mas deixe claro que não acontecerá com os outros que estão seguros e saudáveis, para evitar a ansiedade da criança que já imagina quem é o próximo a morrer.

A criança deve se despedir da pessoa que se foi, e crianças maiores de 7 anos podem ir ao velório e se comportar adequadamente.  Entretanto, todas as crianças devem ter a chance de se despedir e no caso das menores explique que o ente querido pode ouvi-lo se despedir. Incentive seu filho a fazer um cartão para o parente. Assim, ela consegue gerir este sentimento.

Deve ser considerado ajuda de um psicólogo quando:

– Menciona que deseja ir embora com a pessoa que faleceu;

– O seu rendimento na escola diminui;

– Deixa de conseguir interagir socialmente;

– Tenha dificuldades em adormecer e pesadelos.

Como é que as crianças sentem uma perda

Foto por Jordan Whitt em Unsplash

As crianças não são como os adultos quando sofrem uma perda; sofrem descontinuamente e não demonstram o seu sofrimento. Isto não significa que a criança não sofra, apenas significa que a criança não é capaz de se focar nessa emoção durante muito tempo. Este sentimento de perda e de tristeza pode voltar sempre que surgir uma nova fase da sua vida. Todavia, tudo dependerá da idade da criança. Uma criança de 2 ou 3 anos de idade ainda não compreende o conceito de morte, mas sente a tensão familiar que a rodeia. Uma criança em período pré-escolar com 5 anos poderá compreender um pouco do conceito de morte, mas poderá pensar que a morte é uma espécie de sono em que a pessoa entra, podendo acreditar que a pessoa mais tarde ou mais cedo voltará. Por volta dos 6 anos de idade, ela começa a sentir medo da morte, e à medida que a idade aumenta percebe que a morte é algo final que acontece a todos.

Foto por Jordan Whitt em Unsplash

Já os adolescentes têm uma grande dificuldade em lidar com a perda. Embora pareça que já tenham idade e aparência para conseguirem lidar com a morte, estes não são capazes de o fazer.

Por vezes, o melhor é consultar um psicólogo para ajudar a passar esta fase.

Cynthia Wood Passianotto  é psicóloga e escreve quinzenalmente na Dolce Morumbi. Acompanhe a Cynthia também em suas Redes Sociais: @cynthia_wood_passianotto @crescendoeacontecendo

Imagem destacada da Publicação

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Conheça nossa política de privacidade

banner-vinheta-dolce-jan21-(1)
banner-vinheta-dolce-jan21-(2)
banner-vinheta-dolce-jan21-(3)
banner-vinheta-dolce-jan21-(4)
banner-vinheta-dolce-jan21-(5)
banner-vinheta-dolce-jan21-(6)
banner-vinheta-dolce-jan21-(7)
banner-vinheta-dolce-jan21-(8)
banner-vinheta-dolce-jan21-(9)
banner-vinheta-dolce-jan21-(10)
banner-vinheta-dolce-jan21-(11)
banner-vinheta-dolce-jan21-(12)
Anterior
Próximo

Artigos recomendados