Dificuldades financeiras decorrentes da pandemia não excluem obrigação do empregador de pagar verbas rescisórias na forma e prazo legais

Dr. Fabiano Lourenço de Castro

Com a pandemia que atingiu o mundo e o nosso país, muitos contratos e relações jurídicas foram objeto de revisão e o Poder Judiciário, diante e alguns cenários, reduziu inclusive multas moratórias, valores devidos, prazos etc. Houve, ainda, alterações nos contratos trabalhistas, com a redução, suspensão e redução das jornadas de trabalho, o que permitiu a manutenção de milhões de empregos em nosso país. Porém, algumas obrigações não foram alteradas e isso restou definido, por exemplo, pela juíza titular da 14ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte que, mesmo diante do impacto financeiro causado pela pandemia da Covid-19, não eximiu uma empresa de cumprir com as obrigações e pagamentos decorrentes da rescisão do contrato de trabalho.

Com este entendimento, a magistrada condenou uma empresa a pagar a uma ex-empregada as parcelas devidas pela dispensa sem justa causa, incluindo saldo salarial, aviso-prévio indenizado, décimo-terceiro salário e férias proporcionais, FGTS 40%, além das multas do artigo 467 e parágrafo 8º do 477 da CLT, em razão do atraso no acerto rescisório.

A empresa do ramo educacional e tradicional na capital mineira encontra-se em processo de recuperação judicial. Dispensou a empregada sem justa causa e sem lhe pagar os valores rescisórios. O Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho (TRCT) foi assinado apenas para fins de recebimento de FGTS e seguro-desemprego, conforme reconhecido pelas partes em audiência.

Ao se defender no processo de ação trabalhista ajuizada pela ex-empregada, a empresa argumentou que o não pagamento das verbas rescisórias se deu por motivo de crise financeira, agravada pela pandemia da Covid-19.

Na sentença, a magistrada ressaltou que a pandemia causada pela Covid-19, de fato, alterou significativamente as condições vivenciadas por diversas empresas. “Em razão das medidas que foram adotadas para conter o avanço dessa doença sobre a população, houve impacto e diminuição significativa no volume de atividade e produção de vários empreendimentos, com a consequente redução dos lucros gerados por essas empresas”, destacou.

Entretanto, a juíza concluiu que essas circunstâncias não isentam o empregador de cumprir as obrigações decorrentes da rescisão dos contratos de trabalho, visto que eventuais crises financeiras, originárias de uma multiplicidade de fatores, inserem-se no risco da atividade econômica (artigo 2º, caput, da CLT). “Ressalto, por oportuno, que dificuldades financeiras eventualmente enfrentadas não eximem a reclamada do pagamento das verbas rescisórias a tempo e a modo, sobretudo em face do princípio da alteridade, que permeia o Direito do Trabalho, segundo o qual os riscos da atividade econômica não podem ser repassados à parte hipossuficiente (artigo 2º da CLT)”, frisou.

Esse entendimento é seguido inclusive pela grande maioria dos julgadores e as defesas nessa linha não tem obtido êxito na Justiça do Trabalho. (fonte clipping da AASP outubro de 2021).

Dr. Fabiano Lourenço de Castro

Lourenço de Castro Advogados

Rua Jandiatuba, nº 630, 6º andar, sala 614 – Bloco A
05716-150 – São Paulo – SP – Brasil
Fone: +55 11 3571 4261
www.lourencodecastro.com.br

Imagem destacada da Publicação

Assine

Nossa Newsletter

Inscreva-se para receber nossos últimos artigos.

Conheça nossa política de privacidade

vinheta-dolce-setembro21-banner-(1)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(2)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(3)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(4)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(5)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(6)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(7)
vinheta-dolce-setembro21-banner-(8)
Anterior
Próximo

Artigos recomendados

Comentários

  1. Ai aiiii, dr. Fabiano! essas Leis são óbvias, não é mesmo? para a empresa – quem não arrisca… não petisca -. Porém, ou a diretoria foi muito cara-de-pau ou não tem orientação jurídica.
    Todos estão dando desculpa da pandemia para tudo.
    Bela matéria.


Comments are closed for this article!